dcsimg

ENCONTRE SEU
PLANO DE SAÚDE
EM 30 SEGUNDOS!

ENCONTRE SEU PLANO DE SAÚDE EM 30 SEGUNDOS!

Qual plano você precisa?

Não sabe seu CEP? Ache aqui.

Planos de saúde não são mais obrigados a pagar por cesarianas agendadas

Planos de saúde não são mais obrigados a pagar por cesarianas agendadasNo último dia 7 de janeiro, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicaram uma resolução que estabeleceu algumas normas que buscam diminuir o número de cesarianas para as futuras mamães e, assim, incentivar o estímulo ao parto normal.

Com isso, as empresas encarregadas do plano de saúde dos brasileiros não são mais obrigadas a arcar com as despesas de uma cesariana que seria considerada desnecessária.

A controvérsia na medida, inclusive, já começa aí. A ANS crê que o parto natural é o mais seguro e saudável para mãe e o bebê, enquanto as mulheres veem na decisão uma ferida grave nas escolhas sobre a condução do parto delas.

“Ninguém vai contra a cesariana, desde que haja indicação do procedimento cirúrgico. A opção é pelo direito à saúde”, disse o diretor adjunto de Produtos da ANS, João Barroca. Para ele, o direito à escolha deve caminhar paralelamente ao direito à saúde.

Clique aqui e faça a cotação do seu plano de saúde.

Especula-se que, desta forma, a cesariana se transforme em alternativa, durante o parto, somente com indicação clínica, caso exista algum risco ao bebê ou à mãe. Algo como a exceção à regra, que será o parto natural.

A recomendação que parte da Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere que o índice de cesáreas não ultrapasse a marca de 15%, um número facilmente batido tanto na saúde suplementar, com 84%, quanto na rede pública, que não chega à marca de 40% de ocorrência.

A necessidade da medida é reflexo das informações levantadas pelo Ministério da Saúde, segundo as quais em uma cesariana realizada sem indicação médica, a probabilidade de problemas respiratórios para o bebê é aumentada em 120%, e em três vezes o risco de morte da mãe.

Assim que a norma se instaurar na rotina clínica, os médicos deverão preencher um formulário sobre a evolução do trabalho de parto. Dessa forma, a necessidade de uma possível cesariana estará justificada – da mesma forma que é possível justificar uma cesariana de emergência.

Que tal cuidar da sua saúde agora? Aproveite e faça a cotação do seu plano de saúde.

Mauro Ribeiro, vice-presidente do CFM, reconhece que o índice de partos cirúrgicos no Brasil tem que reduzir, mas cobra condições adequadas para estimular o parto natural, como um pré-natal de qualidade e que os planos de saúde providenciem clínicas obstétricas com equipes de plantão.

“Como negar à mulher o direito dela de escolher como quer ter o filho?”, pergunta Ribeiro, que ainda condena o governo, que parece estar responsabilizando os médicos, de forma injusta, pelo alto índice de cesarianas, e não focando nos pontos citados pelo próprio Ribeiro anteriormente, como falta de infraestrutura para estimular o parto natural.

Artigo relacionado:

Compartilhe esse artigo nas redes sociais:
O que você achou deste artigo? Sua avaliação é muito importante para nós!
Por favor, atribua uma nota:

avaliação
Rating

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.