dcsimg

ENCONTRE SEU
PLANO DE SAÚDE
EM 30 SEGUNDOS!

ENCONTRE SEU PLANO DE SAÚDE EM 30 SEGUNDOS!

Qual o seu DDD?

Fraturas do fêmur ameaçam os idosos, como evitar?

A proporção de idosos que morrem em consequência de fraturas do fêmur é assustadora, 25%. É preciso conhecer as causas das fraturas, para sua prevenção e procurar fortalecer ossos e músculos.

Fraturas do fêmur ameaçam os idosos, como evitar?

Imagem: Eluniversal

A gravidade desse tipo de fratura também está relacionada ao elevado índice de mortalidade a ela atribuído. Os trabalhos internacionais mostram que, em seis meses, 18 a 34% dos pacientes morrem devido à fratura de fêmur. 12 a 20% morrem em um ano após esse tipo de fratura e 50% ficam incapacitados.

Problema do nosso tempo que tende a aumentar

Com o prolongamento da expectativa de vida que assistimos nas últimas décadas, estamos mais sujeitos a todos os desgastes e doenças dos músculos e do esqueleto que são próprias do envelhecimento. Morrer jovem é a alternativa!

Com a idade aumenta a perda óssea e diminui a massa muscular, principalmente nas mulheres depois da menopausa. Existe um conjunto de fatores que aumentam o risco da fraturas do fêmur:

– o próprio envelhecimento

– existência de fraturas recorrentes ou que já aconteceram

– as quedas

– terapias com corticoides

– história familiar de fraturas de quadril ou fêmur

– Cigarro.

Grande causa de mortalidade entre idosos

Imagem: Spotlife

Infelizmente, em muitas famílias há casos de falecimento de idosos em razão de fraturas do fêmur. Esse é um acidente que tem consequências graves. A fratura pode acontecer em razão de perda óssea, na osteoporose, mas também por fatores genéticos e quedas. As mulheres tem mais propensão à perda óssea depois da menopausa.

A ocorrência é maior entre homens acima de 60 anos e entre mulheres acima de 70 anos. A fratura traz não somente o risco de morte, mas a possibilidade de perda da autonomia, reduzindo a qualidade de vida.

A mortalidade por fraturas do fêmur é alta

Pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) informou que os idosos sofrem fratura do fêmur tem grande probabilidade de morrer no primeiro ano após a fratura. A pesquisa foi realizada em Belo Horizonte, no Hospital Governador Israel Pinheiro, com 153 pacientes, a maioria aposentados. 13,7% ficaram totalmente dependentes depois de operados e 19,6% parcialmente dependentes. 4 pacientes morreram logo após a cirurgia e 38 morreram durante o primeiro ano depois da cirurgia.

Imagem: Mundo Sem Dor

Segundo a pesquisa, a maioria das fraturas acontece em casa, no momento em que o paciente se dirige para o banheiro, à noite. Ou perdem o equilíbrio, escorregam, ou tropeçam em tapetes e se confundem no escuro. Os remédios, como os hipertensivos, também podem provocar alguma tontura e provocar a queda.

Estudo publicado em 2004, na Acta Ortopédica Brasileira, realizado pelos Drs. Sakakie, Oliveira e outros, para avaliar a mortalidade ocasionada por fratura do fêmur em idosos, analisou 25 artigos relacionados ao tema, com um total de 24.062 pacientes com mais de 60 anos de idade, que sofreram fratura do fêmur.

Imagem: Curitiba/PR

Segundo o estudo, a mortalidade foi de 5,5% durante a internação hospitalar, 4,7% no final de um mês de tratamento, 11,9% depois de três meses, 10,8% depois de seis meses, 19,2% ao final de um ano e 24,9% depois de dois anos do trauma.

Os autores encontraram quatro fatores relacionados com a maior mortalidade nestes pacientes: idade avançada, sexo masculino, deficiências cognitivas, ou de memória e raciocínio e outras doenças. De acordo com o estudo, alguns fatores que em alguns estudos despertaram suspeita de colaborarem para a mortalidade, não mostraram grande correlação, como tipo de anestesia utilizada, existência de AVC prévio, anemia e tempo decorrido antes da cirurgia.

A cirurgia precisa ser imediata

O professor Marco Antonio Castro Veado, da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, um dos responsáveis pela pesquisa, afirma que, quando a fratura acontece, a cirurgia precisa ser imediata, logo após o acidente, para que o idoso não seja operado ainda mais enfraquecido.

Imagem: StandOutHealth

O professor Marco Antonio Castro Veado, da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, um dos responsáveis pela pesquisa, afirma que, quando a fratura acontece, a cirurgia precisa ser imediata, logo após o acidente, para que o idoso não seja operado ainda mais enfraquecido.

Para evitar ficar na fila para realizar uma cirurgia, contrate o plano de saúde para idosos.

Sequelas das fraturas do fêmur

A fratura ocorre quando existe diminuição do conteúdo mineral do osso, com a deterioração de sua arquitetura, o que é próprio da osteoporose, além dos fatores genéticos e dos acidentes de quedas. As sequelas são a perda da capacidade funcional e da autonomia, as doenças degenerativas da articulação relacionada à fratura, dor crônica, mobilidade reduzida e deformidade.

Quando a fratura ocorre por queda

Há estudos demonstrando que a mortalidade por fratura em quedas é a de maior ocorrência eapresenta um maior índice por volta dos 85 anos. Em 2014, pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, relataram a mortalidade de 15 a 50% dos idosos hospitalizados com fratura no fêmur.

Fraturas por doenças ósseas

A fratura de fêmur está relacionada a desnutrição e osteoporose. O envelhecimento leva à diminuição das atividades diárias, a redução da visão, a alteração do equilíbrio. Esses fatores enfraquecem a musculatura e estão associados à problemas cardiovasculares e problemas das articulações.

Musculação para fortalecer músculos e ossos

A musculação é indicada não somente para prevenir fraturas, como na recuperação das fraturas, segundo o presidente da SBOT. O idoso precisa não somente praticar as caminhadas, mas fazer musculação com levantamento de pesos, logicamente dentro daquilo que é sua capacidade. Tomar sol também é essencial, para a síntese da vitamina D.

A pesquisa demonstrou que a administração de medicação para fortalecer os ossos e um programa de fortalecimento muscular adequado pode evitar as fraturas.

Tratamentos com medicamentos

Para o tratamento do enfraquecimento ósseo, existem drogas que atuam controlando o processo de reabsorção óssea, os chamados bifosfonatos ou difosfonatos, como o risedronato, alendronato, ibandronato, pamidronato é o ácido zoledrônico. Eles impedem uma perda óssea maior na osteoporose que já está estabelecida, mas não repõem a massa óssea perdida.

Não existe grande adesão dos pacientes a esses medicamentos orais, porque eles não são facilmente absorvidos pelo intestino. É necessária a administração de altas doses por via oral, o que acaba produzindo efeitos colaterais no esôfago e estômago, a chamada esofagite.

Existe o difosfonato intravenoso, o ibandronato, administrado a cada três meses, mas o seu custo é caro. Além disso, há constatações de que ele produz efeitos secundários, como dor nos músculos, complicações renais, a temível osteonecrose da mandíbula e algumas complicações oculares.

O ácido zoledrônico, por outro lado, é administrado por via endovenosa em uma injeção anual, que atualmente no Brasil tem um custo que varia de R$ 1.280,00 a R$ 2.500,00. Entretanto, ele não pode ser tomado por quem apresenta deficiência de cálcio ou vitamina D e não pode tomar suplementos dessas vitaminas, se o paciente já teve partes do intestino removidas, se teve a tireoide removida, se tem qualquer problema com os dentes ou mandíbula.

Portanto, a decisão é adotar um tratamento medicamentoso para osteoporose, no caso do idoso, não é uma decisão simples e muitas vezes os efeitos colaterais fazem com que a pessoa abandone o tratamento.

Estratégias para evitar as fraturas do fêmur

Imagem: Idosos

Fortalecimento dos músculos através de prática de exercício físico. Pode ser orientado por profissional da área de educação física ou fisioterapeuta.

– Alimentação: dieta é importante para a suplementação natural de cálcio e vitamina D.

– Parar de fumar – é atitude essencial para o idoso.

– Evitar consumir álcool. Além de aumentar o risco de fraturas, o álcool prejudica o processo de consolidação óssea depois de uma fratura.

– Evitar situações de risco para a fratura de fêmur

– Usar equipamentos e roupas adequadas para a prática de atividades físicas

– Utilizar sempre o cinto de segurança enquanto estiver num veículo, dirigindo ou como passageiro.

Políticas públicas de saúde são urgentemente necessárias para levar à população em geral as informações e suporte que resultem e redução dos fatores de risco. A moradia segura, com suporte para os idosos, é também fundamental na idade avançada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.