Descubra o preço
do seu
Plano de Saúde

Descubra o preço do seu Plano de Saúde

Mantenha o peso durante a quarentena da pandemia

Muita gente está cada vez mais preocupada com o aumento de peso, porque estar em casa o tempo todo facilita beliscar o dia inteiro.

A Sociedade Espanhola para o Estudo da Obesidade (Seedo) divulgou um estudo sobre as evidências científicas obtidas sobre as pessoas infectadas pelo coronavírus, que demonstraram que é uma relação clara entre obesidade e sobrepeso e menores chances de sobrevivência se forem contaminadas pela covid-19.

Mantenha o peso durante a quarentena da pandemia

Imagem de Tania Dimas por Pixabay

O presidente da entidade, Francisco Tinahones, explicou que, na China, um levantamento calculou que 88% dos mortos pela covid-19 tinham IMC maior do que 25. O IMC – Índice de Massa Corporal – é o valor obtido pela divisão do peso de uma pessoa em quilos pelo quadrado de sua altura em metros. O índice 25 é considerado ideal, e acima desse limite começa o sobrepeso.

O percentual de 88% de obesos e com sobrepeso entre os mortos da China é superior à média das pessoas com sobrepeso ou obesidade no país, atualmente cerca de 54% da população. Entre os sobreviventes, 91,1% estavam abaixo desse índice.

Se não fosse pela nossa preocupação com a estética, o fato de engordar também configura um fator a mais de risco na pandemia de coronavírus. A explicação está no fato de que o obeso respira pior, porque seu próprio peso dificulta o funcionamento da musculatura que ajuda os pulmões. Além disso, as células do tecido adiposo, popularmente conhecidas como gordura corporal, têm uma proteína que se sabe que é a via de entrada do coronavírus nas células do sistema respiratório que infecta.

Imagem: Pxhere.

Como se alimentar de maneira saudável sem engordar durante a quarentena ou isolamento

Neste período de quarentena, o que mais se vê nas redes sociais são vídeos com receitas de delícias da cozinha, compartilhamento de comidas que foram testadas e aprovadas, fotos de happy hours virtuais, mostrando atrações em comes e bebes.

O que temos, portanto, é uma situação que favorecer comer mais e sem horário, com uma redução da atividade física e mudança de rotina. Trabalho, academias, passeios, tudo foi cancelado, o que gera estresse, que leva a um aumento do apetite, sem que se gastem mais calorias.

Para arrematar, a solidão e a ansiedade podem levar as pessoas a buscarem conforto nos alimentos, principalmente nos doces e pães, conforme explicam os nutricionistas.

Neste momento é importante lançar mão de algumas estratégias alimentares e de rotinas que garantam ao mesmo tempo a nutrição que todos precisam, sem que a alimentação seja mais uma fonte de estresse. Isso quer dizer também que este não é o momento para fazer dieta para emagrecer ou querer mudar radicalmente todos os nossos hábitos de um dia para o outro.

Qualquer dieta restritiva, alertam os nutricionistas, provoca estresse, que eleva a produção pelo organismo do hormônio cortisol, o que por sua vez reduz nossa imunidade. Isso é tudo que precisa ser evitado nesse momento, porque manter a imunidade deve ser a prioridade para nos proteger contra o coronavírus.

Saiba o preço do seu Plano de Saúde

Qual seu tipo de plano?

Simular
Mantenha o peso durante a quarentena da pandemia

Imagem: Pxhere.

Também sabemos que não é recomendável descontar a ansiedade na alimentação, comendo de forma desregrada e pouco saudável, o que vai fazer com que se ganhe quilos extras que a gente não estava esperando. Mas é possível adotar algumas atitudes básicas para manter a saúde e a forma na quarentena. Veja estas dicas:

1. Mantenha uma rotina alimentar e de atividade física

É importante tentar seguir uma rotina normal, fazendo as refeições nos mesmos horários de costume. Muita gente, ao ficar em casa, passa a ter horários bagunçados, tomando café e almoçando em horários desorganizados. É importante procurar colocar atividade física no cronograma diário, mesmo que de maneira mais leve do que o normal.

Também não é hora de exercícios extremamente cansativos, porque isso baixa a imunidade. É preciso fazer alguma atividade, mesmo que seja 30 minutos por dia. Pode ser dançar seguindo com vídeos do YouTube, praticar ioga ou até exercícios funcionais na sala.

2. Acorde cedo e durma cedo

Dormir tarde faz nosso organismo produzir os hormônios que aumentam a fome no dia seguinte. Essa é a "falsa fome", que nos faz ter vontade de beliscar o tempo todo, mesmo que estejamos alimentados.

A rotina ideal é acordar cedo e dormir no máximo às 22h, porque dormir tarde desperta a fome que leva a assaltar a geladeira à meia-noite. É difícil acalmar os pensamentos e dormir cedo, mas é preciso que a gente faça um esforço para isso.

Imagem: Pxhere

3. Tome um café da manhã verdadeiramente nutritivo

O café da manhã, sendo a primeira refeição, condiciona o resto do dia, porque desperta no organismo as funções que ajudam o seu adequado funcionamento. É importante dar ao café da manhã a devida atenção. Uma opção indicada é incluir um suco verde ou uma fruta polvilhada com sementes de linhaça, gergelim ou chia.

Também é recomendado o suco de maracujá ou limão. São sucos que dão ao corpo as vitaminas e nutrientes que precisamos para trabalhar bem. Depois das frutas se pode incluir o pão, se você costuma incluir o pão como alimento fundamental na sua rotina, mas é importante começar pelas frutas, em razão da riqueza de nutrientes. O pão é delicioso, mas não traz o mesmo benefício das frutas, é claro.

4. Evite a monotonia no preparo dos alimentos

Comer sempre a mesma coisa talvez seja uma opção pela praticidade. Por estarmos muito ocupados com as tarefas para fazer em casa, é pode ser uma armadilha. Comer repetidamente a mesma coisa, esquentar e requentar a mesma comida, principalmente aquilo que traz conforto imediato, como carboidratos, alimentos processados, doces e pães, pode não apenas engordar, mas desmotivar e contribuir para o estresse.

Agora, mais do que nunca, é importante consumir alimentos naturais, muitas cores no prato com frutas e vegetais, que são fontes de fibras e nutrientes, variando o máximo que puder.

5. Tome muito chá

Os chás são umas das estratégias que ajudam muito a reduzir o stress, a ansiedade e a vontade de comer a toda hora. Os chás de maçã, erva-doce, capim-limão e camomila, mate. Também são excelentes antioxidantes.

Tome o chá frio ou quente ou prepare uma quantidade maior para ir bebendo ao longo do dia. Os chás com cafeína, como chá verde ou mate podem ser tomados na parte da manhã para não provocarem insônia e um sono agitado.

Regina Di Ciommo

Mestre e Doutora em Sociologia pela UNESP, pesquisadora na área de Ecologia Humana e Antropologia, Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental, foi professora em cursos superiores de Sociologia e Direito, nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Bahia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.