Amil Empresarial

Contratar um plano de saúde Amil Empresarial pode oferecer maior cuidado aos seus colaboradores. O cuidado aumentará o bem-estar deles, e sua disposição para as tarefas do dia a dia. Veja mais sobre a opção no texto.

As empresas que desejam contar com um plano de saúde para disponibilizar a seus funcionários, tem como opção o Amil Empresarial.

Essa operadora de saúde possui atuação nacional e conta com variadas opções de planos, que permitem consultas em áreas limitadas, como os municípios, até todo o território nacional.

Além disso, são oferecidos alguns diferenciais.

Entre eles estão centros de atendimento próprios, que incluem o Total Care e UCP(Unidade de Correção Postural).

Já quem estiver viajando pode contar com o Amil Assistência Multiviagem, que garante uma assistência até mesmo para quem está fora do país.

A empresa que foi fundada no Rio de Janeiro, em 1978.

Hoje, ela está presente em diferentes localidades e atende os mais diferentes segmentos empresariais.

São mais de 6 milhões de beneficiários pelo Brasil.

Amil Empresarial

Imagem: Getty Images

Como funciona o plano Amil Empresarial?

As empresas que desejam beneficiar os seus colaboradores com uma plano de saúde têm como opção a Amil Empresarial.

Nesse caso, a empresa entra em contato com a operadora e contrata o serviço.

A partir de então, os colaboradores podem contar com um plano de saúde, com coberturas disponibilizadas conforme o contratado.

As coberturas de um plano de saúde variam de acordo com a sua segmentação assistencial.

A segmentação Ambulatorial, por exemplo, oferece a possibilidade de consultas e exames ambulatoriais, enquanto a Hospitalar cobre ainda internação, consultas e exames mais complexos.

Fica a critério da empresa disponibilizar o plano apenas para o funcionário ou estender os benefícios também aos familiares.

Nesse caso, mais vidas poderão ser contempladas.

O número de funcionários para que se tenha um plano Amil empresarial pode variar.

Costuma ser necessário, pelo menos, 2 vidas para que se possa utilizar essa opção.

Normalmente, quando se tem de 2 a 29 vidas na empresa, os planos disponibilizados são voltados para PMEs.

Ou seja, planos para Pequenas e Médias Empresas,  possuindo um valor diferenciado.

As empresas que possuem mais de 30 funcionários também podem contar com o Amil Empresarial.

Nesse caso, porém, o negócio se encaixaria em outra faixa de valor.

Já nos casos em que há mais de 100 vidas, os planos se tornam produtos voltados para grandes empresas.

Então, eles possuirão contrato diferenciado.

Para que a empresa saiba em qual faixa se enquadra, é necessário entrar em contato com a operadora para fazer uma cotação.

Em todos os casos, é possível fazer opção entre planos diferentes.

Isso quer dizer que há a possibilidade de escolher a área de cobertura e tipos de procedimentos que serão cobertos.

Tipos de planos Amil Empresarial

Na hora de contratar um plano Amil Empresarial, o empreendedor pode escolher entre três opções básicas.

Depois, se necessário, é possível negociar com a operadora sobre determinadas coberturas e números de vidas.

As opções de plano Amil Empresarial estão listadas a seguir.

Econômico

Com o plano Econômico da Amil, o colaborador da empresa pode ser atendido por toda a rede credenciada da empresa.

Isso desde que o atendimento seja feito no município de contratação.

Caso fique internado, o paciente será atendido em um quarto compartilhado.

Para garantir a privacidade de todos, a Amil prioriza sempre quartos unissex.

Ou seja, compartilhado apenas entre pacientes homens, ou apenas entre pacientes mulheres.

Popular

Enquanto isso, um plano Amil Empresarial Popular permite que o usuário seja atendido em todo o País.

Além disso, caso fique internado, ele será acomodado em um quarto particular.

Outro diferencial da opção é que ela permite reembolso.

O reembolso é pago quando o paciente precisa realizar um atendimento fora da rede credenciada Amil, devido à indisponibilidade do atendimento pela operadora.

O plano Popular pode retornar ao paciente até R$ 175,00.

Premium

A terceira opção básica do plano Amil Empresarial é a Premium.

Seu beneficiário pode ser atendido em todo o País, e fica internado em quarto particular.

O reembolso oferecido, caso necessário, é de até R$280,00.

Os planos da Amil Empresarial podem ser contratados por Microempreendedores Individuais, Pequenas e Médias Empresas, e por negócios maiores.

Como citado, os planos podem ser direcionados apenas aos colaboradores da companhia, ou ainda serem estendidos aos seus familiares.

Além disso, os planos podem ou não ter coparticipação.

A coparticipação é o sistema em que empregador e empregado dividem a mensalidade do plano de saúde.

Mas há casos em que a companhia paga sozinha pelo serviço, desonerando o empregado.

O plano empresarial só pode ser contratado por uma empresa, que então o disponibilizará aos seus funcionários.

Um indivíduo que deseja contratar sozinho um plano de saúde precisa optar por um plano individual.

Vale ainda dizer que um plano de saúde Amil Empresarial têm prazo de carência negociável.

A carência é o período entre a assinatura do contrato e a data em que o colaborador pode começar a utilizá-lo.

Dependendo do número de funcionários na empresa, essa carência pode ser quase que eliminada.

Costuma ser mantido apenas um prazo de 24 horas, para consultas e exames de emergência.

Telefone Amil Empresarial

É bastante simples contratar um plano Amil Empresarial.

Primeiro, você pode acessar o site da empresa e solicitar uma cotação.

Pode também conversar com a operadora pelo chat virtual, pedindo mais informações sobre o plano.

Por último, é possível entrar em contato com a Amil por telefone.

Os números estão listados abaixo:

  • Para contratação do plano de saúde: 0800 580 0371;
  • Para contratação do plano Amil Dental: 0800 878 2203;
  • Para quem já é cliente: 0800 021 2583.

Benefícios de contar com o Amil Empresarial

Como já explicado, a Amil Empresarial conta com diferentes opções.

Desde valores mais acessíveis e coberturas mais simples, até os planos mais completos e com valores diferenciados.

A grande vantagem de contar com esse tipo de benefício é que os funcionários podem se cuidar melhor.

Isso acaba sendo revertido de forma positiva para a empresa, que possui profissionais mais saudáveis e uma menor taxa de absenteísmo.

Outro atrativo para os beneficiários do Amil Empresarial é que o agendamento da consulta pode ser feito para até 48 horas.

Ou seja, você marca hoje, e em até dois dias pode ser atendido pelo médico.

Essa facilidade varia por região, devido ao número de hospitais e médicos credenciados.

Ainda assim, a Amil destaca sempre seu compromisso em garantir a rapidez na assistência.

Na hora de contratar um Amil Empresarial para sua empresa, lembre-se de avaliar bem os custos e coberturas que serão repassadas aos seus funcionários.

É importante que o preço seja em conta, e que os atendimentos valham a pena.

Do contrário, seus colaboradores poderão ficar insatisfeitos.

Tenha cuidado, ainda, com as regras do contrato do seu Amil Empresarial.

Tenha a certeza de conhecê-las pois, caso qualquer problema aconteça, você estará resguardado.

Conhecer seus direitos e deveres é essencial para cumpri-los.

*Este texto é de conteúdo editorial e não garante a comercialização deste produto nesse site.

Será que é catarata? Saiba mais antes da decisão de operar

A perda de visão é uma coisa assustadora. Pode significar acidentes, problemas nas tarefas diárias e até a perda da independência. Há momentos em que sua visão está embaçada e você se preocupa que possa ser catarata?

Se a cirurgia de catarata for uma opção, saiba que ela tem uma ótima taxa de sucesso e poucas complicações. Mas quem realmente quer ir à faca? Especialmente quando se trata de seus olhos?

Será que é catarata? Saiba mais antes da decisão de operar

Imagem: Pixabay/ StockSnap

O que é catarata

Uma catarata é uma turvação da lente do olho que limita a luz que passa por ela, chamada cristalino. A lente focaliza imagens na retina, que então transmite sinais visuais para o cérebro, de modo que uma lente clara é vital para a visão.

Cataratas são muito comuns. Embora a causa mais comum de catarata nos países desenvolvidos seja a idade avançada, o cristalino pode perder sua clareza de várias outras maneiras, incluindo lesões, infecções, inflamações, certos medicamentos, um distúrbio genético ou radiação, como no tratamento de um tumor. A cirurgia de catarata (substituição da lente nebulosa por um substituto transparente de plástico ou silicone) também é comum. Esta pequena cirurgia tem uma taxa de sucesso notavelmente alta.

Mas a catarata pode ser um furtivo ladrão de visão. Ela é indolor e progride lentamente; muitas pessoas não percebem que há algo errado até começarem a buscar mudanças frequentes em seus óculos ou lentes de contato. A visão geralmente fica embaçada, nebulosa ou escura e o brilho das luzes e do sol pode ser especialmente angustiante. Nos estágios iniciais, o olho pode ficar mais míope. A visão noturna piora e as cores parecem mais sombrias.

Qualquer pessoa que sinta desconforto ocular deve consultar um oftalmologista imediatamente para um exame completo, porque a catarata é apenas uma das várias doenças importantes que afetam a visão noturna. O médico testará a nitidez da sua visão e provavelmente dilatará suas pupilas, para que possa examinar o interior do olho e verificar se há catarata e avaliar a extensão das manchas nubladas. Outros exames e testes podem ajudar a descartar outros problemas oculares, como glaucoma ou degeneração da retina.

Será que é catarata? Saiba mais antes da decisão de operar

Imagem: Pixabay / TobiasD

Você está considerando fazer a cirurgia de catarata?

O que você precisa saber é que operação para substituir o cristalino é de baixo risco, rápida e eficaz, mas requer alguma tomada de decisão.

A cirurgia de catarata, que envolve a remoção das lentes nubladas do olho e a substituição por uma versão sintética clara, já exigiu antigamente vários dias no hospital e um longo período de recuperação. Hoje, é realizada sob anestesia local em regime ambulatorial, e as pessoas voltam à vida normal em poucos dias. A taxa de sucesso é alta e a taxa de complicações com risco de visão é relativamente baixa.

Para pessoas com catarata, a decisão de fazer uma cirurgia pode ser fácil. No entanto, duas decisões adicionais podem ser mais difíceis: quando fazer cirurgia e que tipo de implante de lente obter, diz a Dra. Laura Fine, oftalmologista do Massachusetts General Hospital, afiliado à Universidade de Harvard.

Será que é catarata? Saiba mais antes da decisão de operar

Imagem: Pixabay / jasongillman

Por que você pode precisar de uma cirurgia de catarata

Em grande medida, as cataratas são uma consequência normal do envelhecimento. A formação de catarata geralmente é um processo gradual que se prolonga ao longo dos anos. As lentes de nossos olhos se tornam menos transparentes, menos resistentes e geralmente mais espessas. Aos 80 anos, metade de nós terá catarata.

Cataratas podem surgir em você. Pode ser difícil eliminar os efeitos de uma catarata em desenvolvimento de outras alterações na visão relacionadas à idade. Nos estágios iniciais, você pode ficar mais míope, um problema que pode ser corrigido com os óculos. À medida que a catarata progride, sua visão pode piorar.

 Qualquer alteração na visão justifica um exame oftalmológico. No entanto, como as alterações associadas à catarata podem ser sutis, é melhor não esperar até que sua visão seja visivelmente afetada. Exames oftalmológicos abrangentes, que podem detectar não apenas cataratas, mas também glaucoma e outras doenças oculares são recomendados a cada dois anos para adultos com idades entre 40 e 64 anos e anualmente para todos com 65 anos ou mais.

O médico testará a nitidez da sua visão, identificando uma série de símbolos ou letras em um gráfico. Ele ou ela também pode dilatar suas pupilas para examinar o interior do olho. Usando uma lâmpada especial, para iluminar uma pequena área dentro do olho de cada vez, o médico pode ver qualquer catarata e avaliar a extensão das áreas nubladas. Exames e testes adicionais ajudam a excluir outros distúrbios oculares, como glaucoma ou degeneração da retina.

Será que é catarata? Saiba mais antes da decisão de operar

Imagem : Pixabay

Quando você precisa de uma substituição do cristalino?

Remover e substituir a lente nublada é a única cura eficaz para uma catarata. Para a maioria das pessoas, a questão é quando se submeter ao procedimento. “Não há pressa em fazer uma cirurgia de catarata. Não é uma situação com risco de vida”, diz a Dra. Laura Fine. Essa decisão geralmente se baseia em quanto a catarata está interferindo na sua visão e na sua vida diária. Você pode adiar a cirurgia de catarata até sentir que precisa de uma visão melhor. Mas você pode não querer esperar até não poder ver claramente os degraus da escada ou passar no teste de direção. Se você tiver outra condição ocular, como degeneração macular relacionada à idade, seu médico poderá recomendar a cirurgia de catarata mais cedo, porque as cataratas dificultam o exame e o gerenciamento do outro problema.

Se o seu médico diagnosticar que você tem catarata nos dois olhos, ele pode recomendar a operação primeiramente no olho com a catarata mais densa. Se a cirurgia for bem-sucedida e sua visão melhorar substancialmente, você pode optar por renunciar à cirurgia no seu outro olho. No entanto, a maioria das pessoas obtém benefícios significativos ao realizar a operação do segundo olho, incluindo melhor percepção de profundidade e melhorias na capacidade de dirigir e ler.

As pessoas costumam fazer a segunda cirurgia quando o primeiro olho cicatriza e sua visão é estável. Se você é extremamente míope ou míope e precisa de uma cirurgia de catarata em ambos os olhos, convém fazer a segunda cirurgia dentro de um mês ou mais após a primeira cirurgia para evitar problemas com visão dupla devido à diferença na visão dos olhos.

O que está envolvido na cirurgia da catarata

A experiência e a tecnologia aperfeiçoaram o procedimento para substituir as lentes oculares, de modo que leva apenas 15 minutos para ser realizado. A abordagem mais usada é a facoemulsificação – conhecida informalmente como faco. Oferece bons resultados a longo prazo, e 97% a 98% de todos os casos realizados por cirurgiões experientes são bem-sucedidos e livres de complicações.

Atualmente a catarata é operada em ambulatório, com anestesia local por colírio, por uma incisão de dois milímetros e pela mesma incisão, que não leva pontos, é introduzida a lente intraocular. Esta lente, além de substituir a lente natural, pode corrigir também algum outro problema que o doente tenha, como a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e até a presbiopia, vulgarmente conhecido por vista cansada.

A técnica mais usada para operar a catarata é a facoemulsificação, que utiliza ultrassons para «desfazer» a catarata e permitir que seja retirada por uma incisão muito pequena. Esta é a técnica mais usada em todo o mundo porque, por um lado é muito eficaz e, por outro, apresenta uma boa relação custo-eficácia. A inovação tecnológica desenvolvida nesta área trouxe, por exemplo, a utilização de um laser especial, o Femtosegundo, que veio ajudar o cirurgião a obter melhores resultados  reduzindo o tempo de intervenção e minimizando riscos.

O período de recuperação

Você passará cerca de uma hora na sala de recuperação enquanto a anestesia se dilui. O médico pode colocar um curativo ou um protetor sobre o olho. Você precisará de alguém para te ajudar a chegar em casa. Uma vez em casa, seu principal objetivo será evitar que seus olhos sejam infectados. Você precisará usar colírios várias vezes ao dia e manter a água longe dos olhos. Você pode seguir sua rotina diária, desde que evite atividades pesadas ou atividades como correr, que podem prejudicar a nova lente. É possível ler e assistir TV no dia seguinte à cirurgia. A primeira coisa que você notará é como as cores vivas parecem e quantos detalhes você pode ver. Seu cirurgião provavelmente solicitará que você retorne para um check-up no dia após a cirurgia, uma semana depois e algumas semanas depois.

Afinal, azeite de oliva emagrece?

As crenças relacionadas à ingestão de gordura mudaram ultimamente. Antes havia a recomendação para que fosse evitada, agora os estudos ressaltam a contribuição para a saúde, principalmente do azeite de oliva.

Afinal, azeite de oliva emagrece?

Imagem: Pixabay / stevepb

Muitas pesquisas têm sido feitas com o azeite de oliva. Ele é uma das gorduras consideradas saudáveis e muito usado no tempero de saladas ou preparo de alimentos. Mas agora há uma tendência para seu consumo nas dietas para perder peso.

Azeite de oliva em jejum para emagrecer

Essa é uma das indicações que estão sendo adotadas e comentadas por muitas pessoas. Mas será que tomar azeite de oliva em jejum emagrece? Existem benefícios para a saúde ao mesmo tempo em que diminui o peso? Especialistas responderam a algumas dessas perguntas.

A gordura saudável é importante para o corpo?

A gordura é um macronutriente, com um papel importante para a nossa saúde. Desempenha a função de auxiliar na absorção das vitaminas lipossolúveis, como a A, D, E e K. São nutrientes que agem na construção das membranas celulares, fornecendo energia, permitem a função saudável do fígado e retardam a absorção de outros nutrientes.

O cérebro precisa dos ácidos graxos essenciais para manter um bom funcionamento. O corpo não produz ácidos graxos essenciais e depende de uma fonte externa, através de uma dieta saudável.

As pesquisas evidenciaram outros benefícios de gorduras boas como o azeite de oliva, por esse motivo ele é frequentemente indicado em um grande número de dietas, como por exemplo, a dieta mediterrânea. É preciso, portanto, entender porque o azeite de oliva ajuda na saúde e se de fato ele emagrece quando tomado em jejum.

Afinal, azeite de oliva emagrece?

Imagem: Pixabay / pau_noia0

Azeite de oliva traz benefícios mesmo?

O azeite pode trazer benefícios surpreendentes para a saúde. Consumido todos os dias auxilia a saúde do coração, previne a inflamação, ajuda as funções cerebrais, ajuda a controlar os níveis de açúcar e a sensibilidade à insulina. Esses benefícios podem ser detalhados:

– Gorduras monoinsaturadas saudáveis

O azeite é extraído das azeitonas, contém ômega-6 e ômega-3, com cerca de 24% de gorduras saturadas. O ácido com maior concentração é o ácido oleico, considerado extremamente saudável.

– Azeite de oliva é rico em antioxidantes

O azeite contém 30 tipos de polifenóis diferentes, com função de reduzir a inflamação, além de combater doenças, como por exemplo, o câncer. Os ácidos graxos monoinsaturados ajudam a aumentar o colesterol “bom” (HDL) e a diminuir o colesterol “ruim” (LDL). O oleocantal presente no azeite mostrou uma atuação semelhante ao ibuprofeno, que é um medicamento anti-inflamatório.

– Evita doenças cardíacas

Existem muitos estudos que associam o azeite de oliva a um coração mais saudável, em razão de ser anti-inflamatório e reduzir os níveis de colesterol. Além disso, ele também melhora as condições do revestimento dos vasos sanguíneos e previne a coagulação do sangue. O azeite contribui com a redução da pressão arterial, que fator de risco para doenças cardíacas.

– Melhora a função cerebral

O cérebro precisa de gorduras para se manter saudável e por isso o azeite é benéfico. Ele ajuda a oxigenação e previne problemas como o Alzheimer, uma doença neurodegenerativa, caracterizada pelo acúmulo de placas beta-amilóides dentro das células cerebrais. Alguns estudos realizados com animais demonstraram que os componentes no azeite de oliva podem ser capazes de auxiliar na remoção dessas placas das células cerebrais. A dieta mediterrânea que tem como base o azeite de oliva tem efeitos benéficos sobre a função cerebral.

Afinal, azeite de oliva emagrece?

Imagem: Pixabay / StockSnap

– Azeite de oliva e emagrecimento

Será que o azeite de oliva pode contribuir também com o emagrecimento? Existem algumas evidências de que ele pode melhorar a perda de peso e pode apoiar os esforços para emagrecer.

Um estudo foi publicado no Journal of Women’s Health em 2010, comparando os efeitos de duas dietas na perda de peso. A primeira era baseada em baixo teor de gordura e a segunda na ingestão de vegetais com azeite de oliva. O público observado era de mulheres com excesso de peso, que haviam tido câncer de mama. Os resultados indicaram que as participantes que adotaram a dieta do azeite perderam 5% a mais do seu peso do que aquelas que não seguiram.

Essa condição pode ser pela capacidade do azeite de promover uma sensação de saciedade, o que diminui a propensão de comer exageradamente e beliscar entre as refeições. Independentemente de ser o azeite um alimento saudável, ele é uma fonte de calorias e isso deve ser contado quando estamos tentando perder peso. Uma colher de sopa de azeite extra virgem contém aproximadamente 120 calorias, 14 gramas de gordura total. Se você segue uma dieta de ingestão de 1.500 calorias por dia, uma colher de sopa de azeite equivale a 10% da ingestão calórica permitida.

– Azeite de oliva em jejum emagrece?

Existem recomendações que indicam que beber azeite de oliva em jejum emagrece ou que azeite de oliva em jejum é bom para o intestino e para outras condições de saúde, apesar de não existir nenhuma comprovação ou estudos confirmando essa teoria. Mas na região do Mediterrâneo é comum as pessoas começarem o dia ingerindo azeite, além de utilizarem o ingrediente em outras refeições. Seu efeito pode não estar relacionado estritamente ao fato de ser bebido em jejum.

– Qual o melhor azeite de oliva?

É essencial escolher o tipo certo e isso não é simples, pois existe uma infinidade de tipos e marcas. Na hora de comprar, opte pelo azeite extra virgem, ele é o único tipo que contém todos os antioxidantes e elementos bioativos. Leia atentamente os rótulos para adquirir o azeite extra virgem verdadeiro.

Se o principal objetivo é perder peso, não se esqueça de incluir esse alimento à sua contagem diária de calorias e tenha em mente que seu consumo excessivo pode trazer um efeito contrário.

O consumo com moderação do azeite de oliva pode melhorar a saúde, mas consumir demais pode interferir com seus esforços para perda de peso. Sempre é um desafio criar o déficit de energia necessário para perder peso se você consome uma grande quantidade de óleo. Se você não controla o tamanho das porções pode também pode consumir mais azeite do que você precisa por dia.

– Energia no azeite

O azeite de oliva não oferece muito volume para o estômago, mas contém um número significante de calorias. Em 1 colher de sopa de azeite existem 119 calorias e 13,5 gramas de gordura, o que faz com que possa engordar facilmente. Afinal, será que o azeite emagrece?

– Excedendo as Metas Calóricas

Para ter uma ideia de quanto está consumindo diariamente de azeite de oliva, uma boa ideia é medir a quantidade utilizada antes de adicioná-lo aos alimentos. Se você consumir uma colher de sopa extra de azeite de oliva por dia, consumirá cerca de 3570 calorias por mês. Isso pode causar ganho de peso, aproximadamente de meio quilo por mês. Nesse caso, se são mais calorias do que você precisa por dia, o azeite engorda. Em caso contrário, o azeite emagrece.

Afinal, azeite de oliva emagrece?

Imagem: Pixabay / rawpixel

– Ingestão de Azeite de Oliva

De acordo com informações do Instituto de Medicina, na dieta diária o total de calorias não deve ultrapassar 20 a 35 por cento. Isso equivale a 44 a 78 gramas de gordura por dia em uma dieta de 2000 calorias. Essas gorduras podem vir de proteínas como carnes, queijos e castanhas ou de óleos, como o azeite de oliva. O limite para ser consumido é de 5 colheres de chá ou 2 de sopa de óleo por dia em uma dieta de 2000 calorias.

– A melhor maneira para armazenar o azeite de oliva

Procure comprar o azeite de oliva em garrafas de vidro verde escuro ou outro material que proteja da luz, como as latas. Calor e luz podem danificar o azeite, com oxidação, o que muda os fitoquímicos benéficos. Guarde o azeite de oliva em um armário à temperatura amena.

– Não reutilize o azeite de oliva

Algumas pessoas guardam o azeite de oliva após fazerem frituras com ele, para reutilização. O azeite usado não terá o mesmo sabor e estará oxidado pelo calor. O uso pela primeira vez causa uma pequena perda de antioxidantes, mas repetir o uso por mais de uma ou duas vezes provoca uma maior perda de nutrientes e de sabor.

Plano de saúde Unimed cobre dentista?

Sabia que é possível que o plano de saúde Unimed cubra dentista? Para que isso seja possível é preciso apenas que o plano correto seja contratado. Acompanhe o texto e descubra tudo sobre o assunto!

Muita gente não sabe, mas é possível sim ter um plano de saúde Unimed que cubra dentista.

Para isso, basta que o interessado contrate um plano com segmentação odontológica.

Por isso, é fundamental estar bem atento no momento da contratação do seu plano de saúde, pois, caso a assistência odontológica não seja contratada juntamente com o plano de saúde geral, o usuário não poderá contar com a opção.

Neste artigo, explicaremos melhor quais são as principais segmentações de planos de saúde, como cada uma delas funciona e, o que fazer para poder contar com o dentista no plano de saúde Unimed.

Plano de saúde Unimed cobre dentista?

Imagem: Getty Images

Quais são as principais segmentações de planos de saúde?

Os planos de saúde no Brasil podem ser divididos em cinco segmentações principais. São elas:

  1. Ambulatorial;
  2. Hospitalar sem obstetrícia;
  3. Hospitalar com obstetrícia;
  4. Odontológico;
  5. Referência.

A segmentação do plano de saúde serve para definir quais serão os procedimentos cobertos pela operadora de saúde, de acordo com o listado no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Para se ter uma ideia, a segmentação ambulatorial, por exemplo, não permite a internação do consumidor por mais de 12 horas.

Já um plano hospitalar (com ou sem obstetrícia), garante a internação sempre que necessário, pelo tempo recomendado pelo médico.

Isso vale para a cobertura odontológica, se o cliente quiser ter acesso a esse tipo de atendimento em seu plano de saúde, precisará contratar essa segmentação.

Neste caso, na verdade, existem duas possibilidades, ou o cliente contrata apenas a cobertura odontológica, ou contrata essa segmentação juntamente com seu plano de saúde.

Essas duas opções estão disponíveis na Unimed e valem a pena ser estudadas e negociadas com atenção.

Muitas vezes, será bem mais interessante combinar a segmentação odontológica com outras, obtendo assim um plano mais completo.

Quais são as coberturas do plano odontológico Unimed?

Atualmente a Unimed Odonto possui três tipos de assistência odontológica com diferentes tipos de abrangência geográfica nacional, estadual, municipal e regional (grupo de municípios), condições de pagamento e modalidades com ou sem reembolso e com ou sem coparticipação.

As modalidades em questão são:

  • Unimed Odonto Amplo;
  • Unimed Odonto Pleno – Unimed Odonto Pleno Top;
  • Unimed Odonto essencial – Unimed Odonto essencial plus.

Todos esses planos podem ser contratados de maneira individual ou familiar e através de empresas ou por adesão.

Além disso, todas essas coberturas podem contar ou não com o atendimento ortodôntico.

São muitas possibilidades de contratação dentro do segmento odontológico da Unimed.

Por isso, para conhecer melhor cada uma delas, vale a pena contar com um corretor de planos de saúde experiente ou mesmo acessar o site da empresa e escolher o plano de seu interesse (através dos menus suspensos) para saber mais.

Vale dizer que mensurar os valores do plano odontológico Unimed fica praticamente inviável por causa deste fator.

Além de muitas possibilidades de coberturas e abrangências geográficas, ainda existe o fator da prestação de serviço poder ser contratada para uma pessoa ou mais.

Todos esses detalhes influenciam diretamente no valor do plano odontológico Unimed.

Como funciona o plano odontológico Unimed?

Geralmente, o consumidor pode contar com dois planos odontológicos diferentes da Unimed.

Estes planos são conhecidos pela cobertura oferecida através dos seguintes nomes:

Odontologia ROL

O primeiro é chamado de Odontologia ROL, e oferece atendimentos como de urgência e emergência 24h.

Aqui, o paciente pode contar com assistência para curativos, reparos e alívio da dor.

Com esse plano, é possível ainda fazer o diagnóstico e prevenção de problemas bucais.

Isso inclui, por exemplo, realizar a limpeza e aplicação de flúor nos dentes e o controle de placa bacteriana.

Exames de radiologia e outros testes, procedimentos cirúrgicos e métodos restauradores também fazem parte da cobertura do plano.

Dessa forma, o paciente pode fazer a restauração da amálgama, realizar cirurgia da gengiva, fazer a remoção de dentes do siso e outros.

Os chamados procedimentos endodônticos (tratamento e retratamento de canal) e a odontopediatria, para crianças, são os últimos tipos de atenção cobertos pela opção.

Odontologia ROL com Próteses Unitárias

Já o plano Odontologia ROL com Próteses Unitárias inclui todos os procedimentos citados, além do clareamento dental, procedimentos de estomatologia/periodontia e métodos cirúrgicos com coberturas superiores ao ROL.

Esses “adicionais” incluem, por exemplo, o diagnóstico e tratamento da halitose e o enxerto conjuntivo subepitelial.

Como encontrar um dentista que atende pela Unimed?

Se você já contratou o plano de saúde que cobre odontologia, mas não sabe onde encontrar um dentista que atende pela Unimed, não se preocupe, pois, existem algumas maneiras simples de achar esses profissionais na sua região.

A primeira delas é obviamente entrando em contato com o corretor que lhe vendeu a cobertura e solicitando auxílio.

Isso pode ser feito através do Telefone da Unimed Odonto que você tem no contrato de adesão do plano.

Mas, se você quiser fazer isso por conta própria também é simples.

Você pode acessar o site da Unimed Odonto e realizar a pesquisa logo na primeira janela que aparece na página principal do site com o título “Encontre um dentista”.

Para fazer a pesquisa será preciso que você informe a cidade e Estado onde está, qual é o tipo de cobertura do seu plano e a área de atuação dentro da odontologia que você está buscando e clique no botão “buscar”.

Pronto, todos os profissionais que atuam na área que você procura na região serão listados na próxima página, com informações como nome, endereço de trabalho e planos que atendem.

Se você quiser também pode encontrar um profissional através de um site chamado Guia Odonto, da Unimed Odonto.

Está página é formulada em um sistema mobile que pode ser acessado também através de navegadores em computadores e notebooks de maneira rápida e simples.

Aqui a busca funciona de uma maneira um pouco diferente, primeiro será preciso que você escolha o estado onde está e depois, na página seguinte a cidade.

Feito isso, abrirá uma página com a lista de todas as especialidades odontológicas existentes na segmentação dos planos da Unimed.

Nesta página basta você clicar na especialidade desejada e uma página com todos os profissionais que atuam na área será aberta.

Nesta lista constará o nome do profissional, o endereço de atuação do mesmo e o  número de contato do profissional.

Usando uma dessas maneiras será muito mais simples encontrar um dentista que atenda pela Unimed em Fortaleza, Belo Horizonte, Porto Alegre ou qualquer ou região do país.

Telefone da Unimed Odonto

Se você tiver alguma dúvida mais específica sobre os planos odontológicos oferecidos pela Unimed, vale a pena entrar em contato com o telefone da Unimed Odonto ou usar um dos canais de comunicação disponíveis pela empresa para solucionar essa questão.

Os endereços de contato da Unimed Odonto são:

  • Site: www.unimedodonto.com.br;
  • Central de Relacionamento: 0800 9428 428 / 0800 770 3611 (deficientes auditivos) / 3003-5303 (regiões metropolitanas e capitais);
  • CAP – Central de Atendimento ao Prestador: 3003-5303 – para profissionais credenciados;
  • Ouvidoria: 0800 001 2565;
  • SAC: 0800 9428 428 (opção 7).

Agora que você já sabe que o plano de saúde Unimed cobre dentista, desde que essa segmentação seja contratada, converse com um consultor da empresa.

Assim, você poderá conhecer a fundo as coberturas e obter a assistência que melhor se encaixa em seus objetivos.

*Este texto é de conteúdo editorial e não garante a comercialização deste produto nesse site.

Será que a dieta vegana é segura para crianças?

Você tem filhos em idade de crescimento? Veja o que você precisa saber sobre proteínas e vitaminas necessárias para o desenvolvimento das crianças.

Você pode optar por seguir uma dieta vegana porque é boa para o meio ambiente, os animais ou a sua saúde – ou talvez as três.

Mas você pode se perguntar se uma dieta que corta todos os produtos de origem animal também é boa para as crianças em crescimento.

Será que a dieta vegana é segura para crianças?

Imagem: Pixabay

A Clínica Cleveland é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos.

De acordo com uma de suas nutricionistas pediátricas, a Dra. Katie Nowacki, uma dieta vegana também pode ser saudável para crianças, mas você pode precisar fazer algumas modificações.

Os pais precisam ter certeza de que seus filhos estão recebendo todas as vitaminas e nutrientes que seus corpos em crescimento necessitam, diz ela.

Satisfazendo a necessidade de proteínas e vitaminas

Atualmente, cerca de 10% dos adultos nos Estados Unidos seguem uma dieta vegetariana.

Infelizmente não temos essa estatística para o Brasil.

Normalmente, um vegetariano não come carne, aves ou peixe, mas come ovos e laticínios.

Um número muito menor de adultos (menos de 1%) é vegano.

Eles não comem nenhum animal, peixe ou aves ou seus produtos.

E isso inclui ovos, laticínios e mel.

Aqueles que seguem dietas veganas ou vegetarianas correm o risco de deficiências, incluindo vitamina B12, ferro, zinco e cálcio.

Será que a dieta vegana é segura para crianças?

Imagem: Pixabay

Comer grãos fortificados pode ajudar a evitar essas deficiências, diz Nowacki.

O mesmo acontece com os suplementos vitamínicos.

Seu pediatra pode aconselhá-lo sobre vitaminas e suplementos, diz ela.

Os corpos em crescimento das crianças também precisam de muita proteína, portanto, você deve garantir que seu filho esteja recebendo o suficiente.

Quando uma criança segue uma dieta vegetariana ou vegana, é importante garantir a ingestão adequada de proteínas, pois a proteína das plantas não é absorvida tão facilmente.

A proteína também é essencial para garantir que uma criança atinja seu potencial de altura total.

Como alterar com segurança a dieta do seu filho

Antes de alterar a dieta de seu filho, é uma boa ideia discutir preocupações e possíveis riscos com seu pediatra ou nutricionista pediátrico.

Descubra quais sintomas observar que podem indicar que as necessidades nutricionais de seu filho não estão sendo atendidas.

Por exemplo, mudanças de humor ou mudanças de energia podem sinalizar um problema, diz Nowacki.

Como alterar com segurança a dieta do seu filho

Imagem: Pixabay

No começo, convém manter um diário da alimentação das crianças.

Em seguida, você pode revisar o diário com seu pediatra para garantir que não esteja esquecendo nenhum desequilíbrio alimentar.

Uma boa regra é manter um registro da dieta por três dias – dois dias da semana e um dia do fim de semana – para dar uma ideia do que eles normalmente ingerem, diz a nutricionista.

Preste atenção às emoções do seu filho

Os pais precisam observar qualquer impacto emocional que seguir uma dieta vegana possa ter nos filhos.

Algumas crianças podem ter sentimentos de separação quando comem de maneira diferente dos seus colegas.

Além disso, seguir uma dieta restritiva ou altamente especializada pode levar a comportamentos alimentares restritivos mais tarde na vida.

Se você suspeitar que seguir uma dieta diferente está incomodando seu filho, é uma boa ideia falar sobre isso.

Tente responder às perguntas dele e explicar os benefícios da sua dieta.

É muito importante que, ao ensinar a seus filhos a seguir uma dieta vegana, se inclua uma boa variedade de grãos integrais e frutas e vegetais integrais.

Não importando qual dieta se siga, é vital ter uma dieta equilibrada, diz Nowacki.

Preste atenção às emoções do seu filho

Imagem: Pixabay

Médicos belgas estão contra pais que impõem veganismo aos filhos

A Academia de Medicina da Bélgica publicou uma advertência afirmando que a dieta vegana gera carências e problemas de crescimento

Nas últimas semanas, a alimentação de um filho tornou-se um assunto importante no debate público na Bélgica, por ser uma das decisões mais pessoais que os pais devem tomar e que, entretanto, não é objeto de consenso.

A polêmica começou quando o responsável pelos Direitos da Criança, na região com idioma francês, Bernard De Vos, procurou a Academia Real de Medicina da Bélgica para que se pronunciasse sobre os riscos potenciais existentes na escolha dos pais por uma dieta vegana para seus filhos.

Sete médicos, membros do Comitê de especialistas da Academia de Medicina Belga, responderam de forma taxativa: a dieta vegana corresponde a “um regime restritivo que implica carências inevitáveis e exige o acompanhamento permanente das crianças para evitar atrasos irreversíveis no crescimento”.

Essa opinião contundente difere de outras opiniões médicas existentes, que estão considerando que a dieta vegana é apropriada para todas as etapas da vida, desde que seja bem planejada.

O pronunciamento da Academia belga foi acompanhado por vários depoimentos dos médicos especialistas, que passaram a alertar para casos “gravíssimos” que levaram à hospitalização da criança.

Isto porque, segundo a avaliação dos médicos, ao seguir a dieta vegana, as crianças deixam de ingerir vitaminas essenciais, como D e B12, além de cálcio, oligoelementos e nutrientes indispensáveis para o seu pleno desenvolvimento.

Trata-se de sequelas como atraso de crescimento, desnutrição, atraso psicomotor e anemias importantes, diz a Dra. Isabelle Thiébaut, pediatra especialista em dietética, uma das participantes do alerta lançado pela Academia.

Pode-se concluir que há um risco claro existente na dieta vegana para crianças.

Não somente para crianças, como adolescentes, mulheres grávidas e as que amamentam.

No entanto, existe uma tendência de crescimento da adesão à dieta vegana e na Bélgica o número de crianças que segue essa dieta já chega a 3% do total.

Isso está levando a um verdadeiro dilema ético dos profissionais de saúde, que tentam explicar aos pais os riscos de optar por essa dieta, mas ao mesmo tempo precisam dar certa liberdade de escolha.

O problema é que o médico muitas vezes percebe que essa dieta representa uma atitude perigosa em relação à saúde de uma criança, segundo afirma o Dr. Georges Casimir, pediatra.

Médicos belgas estão contra pais que impõem veganismo aos filhos

Imagem: Pixabay

Um bebê morreu em 2017, depois de ter sido alimentado, por vários meses, somente com leites vegetais de milho, arroz, aveia e quinoa.

Ao morrer, ele estava abaixo do peso recomendado, o que iniciou a primeira polêmica na Bélgica sobre a maneira pela qual os pais adotam dietas veganas para os filhos.

Segundo os médicos, certas etapas do desenvolvimento da criança devem acontecer em determinados momentos específicos da vida, depois disso, os danos são irreversíveis.

A alimentação com base em legumes, segundo os médicos, tem um alto nível de potássio e fibras para o corpo das crianças.

Mas na infância, o corpo fabrica células cerebrais, o que exige o consumo importante de proteínas e ácidos graxos essenciais.

Eles não são produzidos pelo organismo, é necessário o recurso das proteínas animais, declaram.

Sem esse recurso será imprescindível recorrer à suplementação e realizar exames de sangue com frequência.

Os médicos da Academia Belga elaboraram um relatório de nove páginas com a opinião dos especialistas, destinado a informar a opinião pública e com o objetivo foi chamar a atenção para à contradição de ter de cuidar de crianças nascidas com boa saúde, mas que são levadas a maus hábitos.

Em muitos casos, graças a uma rápida intervenção dos pediatras, foi possível deter o risco que crianças corriam devido à alimentação vegana.

Na Itália, em 2016, a deputada Elvira Savino já havia apresentado projeto de lei para punir os pais que seguirem a dieta vegana com seus filhos e a punição poderia chegar à prisão.

Em 2016, a deputada italiana Elvira Savino apresentou um projeto de lei para punir, mesmo com prisão, pais que seguirem essa dieta com seus filhos.

Entretanto, há contestações de outros especialistas.

O grupo de nutricionistas da Academia Americana de Nutrição e Dietética, talvez o maior do mundo, afirma que a dieta sem produtos de origem animal é apropriada para qualquer etapa da vida, se for seguida com planejamento e informação.

Ainda, uma revisão de pesquisas realizada em 2017 sobre dietas vegetarianas em crianças não foi objetivamente conclusiva em relação aos riscos potenciais.

Resta, portanto, aguardar maiores estudos, mas enquanto isso considerar que os cuidados com a saúde das crianças exigem cautela na adoção de dietas restritivas em proteína animal na fase crucial de seu desenvolvimento e um pediatra deverá sempre ser consultado e acompanhar o processo.

Plano de saúde empresarial

Você tem um negócio e está pensando em promover um plano de saúde empresarial para seus colaboradores? Então acompanhe este artigo e entenda melhor sobre o assunto.

Uma das melhores maneiras de manter colaboradores de uma empresa motivados é oferecer benefícios a eles e, entre os benefícios disponíveis na atualidade, o plano de saúde empresarial certamente é o mais interessante.

Pesquisas realizadas no mercado brasileiro mostraram que cerca de 75% das empresas nacionais oferece planos de saúde para seus colaboradores.

E, a razão disso é que esse benefício promove além de uma maior motivação e dedicação, o interesse dos funcionários em permanecer na empresa.

Conheça também as vantagens do plano de saúde familiar

Por isso, se você tem ou gere uma empresa e está pensando em promover um plano de saúde empresarial para seus colaboradores, saiba que esta pode ser uma excelente decisão.

Neste artigo, falaremos mais sobre o assunto, explicando sua importância e como funciona esse tipo de prestação de serviço, acompanhe.

Plano de saúde empresarial

Imagem: Getty Images

Por que os planos de saúde empresariais são interessantes?

Como mencionado oferecer um plano de saúde para seus funcionários faz com que eles se sintam mais motivados a exercer suas funções e a permanecer no emprego.

O que consequentemente acaba aumentando o desempenho deles e o sucesso da empresa.

Afinal, profissionais motivados rendem muito mais no trabalho, trazendo muitas vezes resultados surpreendentes.

Isso acontece porque a cada ano que passa o sistema público de saúde se torna mais ineficiente.

E, infelizmente a realidade da maioria dos brasileiros não permite a contratação de um plano de saúde particular.

Por isso, as vagas de emprego em empresas que oferecem esse tipo de benefício são cada vez mais interessantes.

Além disso, na grande maioria dos casos o clima da organização melhora e as ações preventivas de saúde evitam maiores prejuízos com faltas e licenças médicas.

É claro que um plano de saúde representa um investimento, muitas vezes considerado alto pela organização.

No entanto, suas consequências são muito positivas dentro da política de valorização do pessoal, num claro sinal de respeito aos funcionários e colaboradores.

E os retornos positivos desse investimento podem ser bem maiores do que o imaginado.

Quais são as vantagens que um plano de saúde empresarial traz?

A contratação de um plano de saúde empresarial pode ser muito vantajosa para as duas partes, empresa e colaboradores.

Promovendo mais qualidade de vida aos funcionários e consequentemente maior dedicação deles a empresa.

Muitas empresas, além de oferecerem o plano de saúde empresarial pelo período do contrato, ainda estendem seu benefício por mais alguns meses, no caso de realizarem demissões para reduzir o pessoal.

Nesse caso o plano de saúde é eficaz para diminuir o atrito nas relações trabalhistas, evitando processos de indenização que poderiam resultar em prejuízo ainda maior.

No caso da pequena empresa, o plano de saúde age como preventivo ao risco de situações em que um funcionário indispensável possa ser vítima de um problema de saúde ou um acidente, que o afaste das funções.

Na pequena empresa, as relações são bastante pessoais e cada funcionário é essencial para o desenvolvimento das atividades.

Numa situação inesperada, quando um problema de saúde ou emergência aparecem, o empregador se verá na contingência de prestar socorro ou ajudar na assistência médica.

Os custos podem então serem bem maiores do que as despesas para manutenção de um plano de saúde.

Os exames regulares, preventivos, que estão disponíveis em um convênio médico são o melhor remédio para o cuidado com a saúde, beneficiando o funcionário e a empresa na redução dos afastamentos por doença.

Como funciona a contratação do plano de saúde empresarial?

Apesar de não ser obrigatório, o plano de saúde já faz parte do protocolo de algumas categorias trabalhistas, que conquistaram esse direito através de acordos coletivos.

Nesse caso, a empresa deve observar o que foi acordado.

Em outros setores, a empresa decide as condições do plano, escolhendo a operadora e definindo quanto será o valor do subsídio, se 30%, 70% ou 100% e a inclusão de dependentes, cônjuges e filhos.

Mas independentemente do caso, é preciso que as empresas sigam as recomendações da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, instituição responsável por regulamentar toda a área de planos de saúde no país.

Na adoção de um seguro de saúde é importante que as condições fiquem bem claras, para evitar futuros conflitos.

A adesão ao plano deve ser por escrito e voluntária.

O funcionário deve manifestar sua vontade, aceitando o plano.

Quando o subsídio não é de 100%, a parte do empregado será descontada em folha de pagamento e ele deve concordar expressamente com isto, autorizando o desconto.

Os tipos de cobertura podem ser diferenciados, destinando-se, por exemplo, planos mais caros e sofisticados aos funcionários mais qualificados e com mais tempo na empresa.

A diferença, no entanto, não deve ser quanto ao atendimento médico e exames clínicos, mas em relação às acomodações em caso de internação hospitalar, para que isso não represente discriminação.

A política de oferecimento do plano de saúde empresarial deve ser sustentável, ou seja, não pode deixar de existir eventualmente.

Por isso, é importante que a empresa avalie com atenção sua capacidade de manter o convênio.

Pois, uma vez que ele é realizado passa a fazer parte dos benefícios dos funcionários.

Para deixar de manter o plano de saúde o empregador precisa se justificar muito bem tecnicamente, ou irá enfrentar conflitos trabalhistas.

A melhor conduta é procurar o convênio médico que oferece condições favoráveis e até descontos, esse é um ótimo negócio para os planos de saúde.

Com a certeza essa atitude reverterá em benefício da empresa, melhorando o ambiente de trabalho.

Cuide do seu idoso contratando um plano de saúde exclusivo para essa faixa etária.

Quais são os tipos de planos de saúde empresarial que existem?

Nem todo mundo sabe, mas o plano de saúde empresarial pode ser dividido em duas categorias, o coletivo empresarial e o coletivo por adesão.

A seguir falaremos um pouco mais sobre o funcionamento de cada uma delas:

Plano de saúde coletivo empresarial

Esse é o tipo de plano de saúde mais comum entre as empresas, com ele a assistência médica é garantida aos funcionários através do vínculo empregatício deles com a instituição.

A assistência médica oferecida por esse tipo de plano pode ser usufruída por funcionários privados ou servidores públicos, estejam eles em atividade, aposentados ou demitidos.

Além disso, sócios, administradores, estagiários também podem ter acesso a esse benefício.

Nesta categoria de plano de saúde empresarial também é possível que os beneficiários incluam dependentes em suas coberturas.

Contanto que estes estejam dentro da regra de parentesco exigida, ou seja, é preciso que eles tenham ligação consanguínea de até 2º grau ou por afinidade como no caso de cônjuges e companheiros.

Plano de saúde coletivo por adesão

Os planos de saúde coletivos por adesão são contratados por pessoas jurídicas ou instituições de caráter setorial, profissional ou classista como sindicatos, conselhos e associações profissionais.

Para que o beneficiário tenha acesso à assistência médica através dessa modalidade de plano de saúde é preciso que ele comprove seu vínculo com a instituição ou comprove sua atuação na categoria representada.

Quem paga o plano de saúde empresarial?

Geralmente o plano de saúde empresarial é pago por ambas as partes, ou seja a empresa paga uma porcentagem e o colaborador para o restante.

As margens são definidas pela empresa e podem variar de acordo com porte da mesma e número de colaboradores.

Em alguns casos as empresas assumem 100% do valor do plano, mas no geral essa margem fica entre 30% e 70%, ficando a parte restante por conta do funcionário.

É comum também que a parte do funcionário seja descontada em folha de pagamento.

Ou seja, o valor referente a sua colaboração para o plano de saúde é retirado do pagamento do colaborador automaticamente.

Na modalidade por adesão, quem paga o plano de saúde empresarial são os beneficiários, no entanto, eles têm acesso a um valor bem mais em conta, pagando assim um valor bem menor que o preço normal.

O plano de saúde empresarial tem carência?

Muitas pessoas ficam em dúvida sobre a questão da carência no plano de saúde empresarial.

A carência é um período de espera que deve ser cumprido pelo contratante do plano de saúde para a utilização de determinados procedimentos.

Ela é definida pela ANS e deve ser respeitada por todos os planos de saúde operantes no país.

No geral, ela funciona da seguinte maneira:

  • 24 horas para atendimentos de urgência e emergência;
  • 180 dias (6 meses) para todas as demais situações como consultas, cirurgias, tratamentos e exames mais complexos;
  • 300 dias (10 meses) para partos, exceto nos casos de complicações gestacionais;
  • 720 dias (24 meses) para o tratamento de doenças e lesões preexistentes.

Logo, o plano de saúde empresarial tem carência sim, mas sua aplicação pode ser diferenciada nos casos de empresas que possuem mais de 30 vidas.

Para isso, basta que a empresa em questão negocie com a operadora do plano a ser contratada.

Nestas situações, todos os beneficiários que aderirem ao plano de saúde dentro do prazo de 30 dias após a contratação do plano pela empresa podem estar liberados do cumprimento da carência.

É importante dizer que essa possibilidade do não cumprimento da carência também se estende aos dependentes dos beneficiários, contanto que eles também sejam incluídos no plano dentro do período de 30 dias.

Como contratar um bom plano de saúde empresarial

É muito difícil você chegar em uma operadora de saúde e ela oferecer um plano de saúde empresarial pronto e que atenda às suas necessidades.

Provavelmente você irá conhecer os planos que cada uma oferece e ver qual melhor se encaixa às necessidades da sua empresa e colaboradores.

Sem contar que você vai poder solicitar coberturas que não constem no plano ou excluir as que você julgar não serem necessárias.

Assim, irá pagar apenas pelo que, provavelmente, vai usar.

É importante incluir coberturas que sejam necessárias para os seus funcionários, por exemplo, que ofereça proteção para os familiares dependentes também.

Depois de saber as coberturas ideais, você deve fazer cotações em diferentes operadoras para optar pela que ofereça o melhor plano e preço.

Para não errar na escolha, verifique se a que escolheu possui registro e se possui muitas reclamações no site do Reclame Aqui.

Como funciona a inclusão de dependentes em plano de saúde empresarial?

No geral é possível realizar a inclusão de dependentes em planos de saúde empresarial apenas de 2º grau como avós e netos, 1º grau como pais e filhos e por afinidade como cônjuges ou companheiros.

No entanto, algumas operadoras aceitam mais possibilidades de dependentes como parentes consanguíneos de 3º grau, bisavós, bisnetos, tios e sobrinhos e parentes por afinidade como sogros.

Para realizar a inclusão de dependentes no plano de saúde empresarial basta separar todos os documentos necessários, às exigências podem variar de uma empresa para outra, mas no geral essa documentação consiste em RG e CPF do dependente, documento que prove o parentesco ou afinidade com o beneficiário e comprovante de residência.

Com os documentos em mãos, é só entrar em contato com a operadora do plano de saúde e solicitar a inclusão dos dependentes.

Eles informarão quais serão os passos a seguir.

Se você tiver dúvidas sobre o assunto, vale a pena procurar também o setor de recursos humanos da sua empresa.

Agora que você sabe melhor como funciona o plano de saúde empresarial e quais são as vantagens de contar com esse serviço, será muito mais fácil escolher uma operadora e contratar o plano que melhor atenderá as necessidades de seus funcionários.

Se precisar de ajuda ao contratar um plano de saúde empresarial, não hesite em nos contatar!

Como treinar a bexiga para tratar incontinência urinária

É possível condicionar a bexiga para uma vida melhor, com exercícios, mudança de estilo de vida, medicamentos e procedimentos podem aliviar a incontinência e devolver sua vida a você.

Uma bexiga com vazamento ou um súbito desejo de ir ao banheiro é uma condição desconfortável e embaraçosa.

Mas você pode tomar medidas para aliviar o problema.

O Dr. Anurag Das, diretor do Centro de Neurolologia e Continência do Centro Médico Beth Israel Deaconess, afiliado a Harvard, conta que muitos de seus pacientes dizem que teriam procurado tratamento mais cedo se soubessem que ele era tão simples.

Como treinar a bexiga para tratar incontinência urinária

Imagem: Pixabay

Mudanças de estilo de vida

Uma das primeiras linhas de defesa é livre de pílulas e não custa nada, conforme ensina o médico: é a mudança de estilo de vida.

Para incontinência de urgência, você pode tentar programar um horário para urinar, aprender a lidar com gatilhos que desencadeiam o desejo de ir ao banheiro, como lavar a louça ou ouvir água.

É um treino em que você aperta seus músculos para conter a urina antes de um gatilho, o que envia uma mensagem ao cérebro de que não é hora ir.

Mudanças no estilo de vida incluem controlar a ingestão de líquidos, parar de fumar, para reduzir a tosse e a pressão na bexiga e minimizar irritantes da bexiga, como cafeína, álcool e bebidas gaseificadas.

Reabilitação do assoalho pélvico

Os músculos do assoalho pélvico ajudam a controlar sua bexiga e intestinos.

O fortalecimento desses músculos pode ser útil para pessoas com incontinência de estresse, bem como para pessoas com incontinência de urgência (verifique abaixo o esquema para distinguir os dois tipos de incontinência).

Esse fortalecimento é feito com os exercícios de Kegel, que envolvem apertar e liberar os músculos que você usa para reter a urina.

A maioria das pessoas com incontinência de urgência melhorará com a reabilitação, que pode ser guiada por um fisioterapeuta.

Como treinar a bexiga para tratar incontinência urinária

Imagem: Pixabay

Tipos de incontinência

O Dr. Anurag Das distingue três tipos de incontinência:

  1. A incontinência por estresse – ocorre principalmente em mulheres e geralmente é o resultado de um assoalho pélvico enfraquecido ou afrouxado pelo parto. O sintoma revelador é o vazamento por pressão na bexiga, como pode acontecer rindo ou tossindo. A incontinência de estresse é menos comum em homens, a menos que eles tenham sofrido uma lesão ou tenham sua próstata removida.
  2. A incontinência de urgência (bexiga hiperativa) – é caracterizada pela incapacidade de chegar ao banheiro a tempo. É causada por contrações hiperativas do músculo da bexiga que podem estar relacionadas a um aumento da próstata nos homens, alterações no revestimento da bexiga ou músculo da bexiga em mulheres na pós-menopausa ou uma condição neurológica crônica, como esclerose múltipla.
  3. A incontinência por transbordamento – ocorre quando não há espaço para urina adicional porque a bexiga não está esvaziando, porque está bloqueada ou porque não está funcionando corretamente devido a um distúrbio neurológico ou a um efeito colateral de medicação. A incontinência por transbordamento afeta principalmente homens com aumento da próstata. Os sintomas incluem vazamento frequente ou sensação de plenitude na parte inferior da barriga. A condição aumenta o risco de infecções da bexiga porque a urina se acumula na bexiga por longos períodos de tempo.
Como treinar a bexiga para tratar incontinência urinária

Imagem: Pixabay

O treino da bexiga para tratar incontinência sem cirurgia

Uma bexiga hiperativa, também conhecida como incontinência de urgência, causa um desejo repentino de urinar, mesmo quando a bexiga não está cheia.

Para algumas pessoas, é simplesmente um incômodo.

Para outros, o desejo não pode ser controlado, o que leva não apenas à incontinência, mas também a um impacto negativo potencialmente grave em sua qualidade de vida.

O treinamento da bexiga pode ajudar bastante na incontinência urinária.

Essa estratégia de tratamento para incontinência envolve aprender a urinar de acordo com um horário (micção temporizada) e fazer exercícios nos músculos pélvicos.

Aqui está a técnica passo a passo de treinamento da bexiga:

  1. Mantenha um diário. Por um dia ou dois, acompanhe os horários em que você urina ou vaza urina durante o dia;
  2. Calcular em média quantas horas você espera entre as visitas ao banheiro durante o dia;
  3. Escolha um intervalo. Com base no seu intervalo típico entre a necessidade de urinar, defina o intervalo inicial para o treinamento, de modo que seja 15 minutos mais longo;
  4. Retenha. No dia em que você inicia o treinamento, esvazie a bexiga logo de manhã e não volte a urinar antes de atingir o limite de tempo desejado. Se chegar a hora e você não sentir vontade, vá mesmo assim. Se o desejo ocorrer primeiro, lembre-se de que a bexiga não está realmente cheia e use as técnicas que puder para adiar ir ao sanitário. Tente exercícios do assoalho pélvico (também chamados de Kegels) ou tente esperar mais cinco minutos antes de caminhar lentamente para o banheiro;
  5. Aumente seu intervalo. Quando você tiver êxito no seu intervalo inicial, aumente-o por mais 15 minutos. Durante várias semanas ou meses, você poderá esperar muito mais tempo e sentir menos vontade. Depois de quatro a oito semanas, se você acha que encontrou alguma melhora em sua incontinência, faça outro diário. Compare seu diário inicial com o seu segundo diário para observar as melhorias nos seus intervalos e a quantidade de urina que você elimina. O ato de revisar e comparar realmente ajuda a reforçar o processo de treinamento da bexiga.

Muitas coisas podem dar errado com o sistema complexo que nos permite controlar a micção.

O Dr. May Wakamatsu, uroginecologista do Hospital Geral de Massachusetts, afirma que, nas mulheres, os músculos que sustentam a bexiga ou a uretra (o tubo através do qual a urina flui) podem ser enfraquecidos durante o parto, causando vazamento de urina durante a tosse, o salto ou rindo.

Para os homens, o fluxo normal de urina através da uretra pode ser parcialmente bloqueado por um aumento da próstata ou pelo tratamento da próstata, explica Joseph Grocela, MD, urologista do Hospital Geral de Massachusetts.

A urina retida na bexiga causa o que é chamado de incontinência por transbordamento.

Tanto para homens quanto para mulheres, danos nos nervos, músculos da bexiga hiperativos e músculos enfraquecidos pelo envelhecimento também podem prejudicar a função normal do sistema urinário.

Da mesma forma, danos aos nervos e músculos que controlam os músculos do esfíncter anal podem resultar em vazamento fecal.

O treino da bexiga para tratar incontinência sem cirurgia

Imagem: Pixabay

Gerenciamento dos líquidos

Para pessoas com incontinência urinária, o gerenciamento de líquidos que se toma diariamente é um modo fácil para começar o tratamento.

Pode ser usado em combinação com outras formas terapêuticas.

Aqui estão algumas diretrizes para gerenciamento dos líquidos:

  1. Primeiro, acompanhe a quantidade de líquido que você bebe diariamente e a que horas;
  2. Em seguida, tente beber apenas quando estiver com sede e não exceda seis a oito copos de líquido por dia de todas as fontes, incluindo sopa ou leite em seus cereais, a menos que você tenha uma condição médica que exija mais. Observe que um copo de 200 ml é apenas dois terços de uma lata de refrigerante comum;
  3. Não beba mais de 200 ml de cada vez;
  4. Não exagere ou beba muito rápido. Quanto mais rápido sua bexiga enche, maior a probabilidade de você sentir urgência em urinar;
  5. Diminua as bebidas com cafeína e gaseificadas;
  6. Diminua ou elimine o consumo de álcool;
  7. Se estiver com sede porque faz calor ou se exercitou, não hesite em beber água;
  8. Por fim, siga esta dica: Encha o copo com apenas 2/3 do tamanho normal. Um estudo mostrou que essa técnica sozinha ajudou a reduzir episódios de incontinência.

Conheça alimentos nutritivos e com quase zero calorias

Existem muitas opções de alimentos ricos em nutrientes e pouco energéticos, a grande maioria são legumes, frutas e verduras, mas também há carnes, peixes e frutos do mar.

A maioria das dietas apresenta um cenário desolador para quem quer perder peso, geralmente aquele prato de salada sem molho na hora do jantar, com o invariável grelhado.

São as dietas de baixa caloria, que acabam deixando de inspirar quem as segue em pouco tempo, afinal, que ser humano aguenta?

Conheça alimentos nutritivos e com quase zero calorias

Imagem: Pixabay

Existem, no entanto, alimentos de quase zero calorias, com muitas vantagens nutricionais e que são opções que todos podem aproveitar.

Para conferir sabor e qualidade a um prato de salada, muitos já conhecem as propriedades do azeite de oliva extra virgem, que pode ser usado com moderação, já que em 1 colher de sopa de azeite de oliva, você consome 119 calorias e 13,5 gramas de gordura.

Mas há ainda outros alimentos importantes dentro do leque de baixa energia.

Uma importante base de dados disponível na Espanha (Base de Dados Espanhola de Composição de Alimentos) indica alimentos que possuem menos de 40 calorias em uma porção de 100 gramas, o que é considerado pelos especialistas como alimento baixo em energia.

Além de frutas e verduras, existem outros, como o contrafilé, que são saborosos e permitem várias opções gastronômicas.

Morango e framboesa – frutas da época

Morango e framboesa – frutas da época

Imagem: Pixabay

Uma porção de 100 gramas dessas frutas deliciosas tem entre 36 e 38 calorias.

Além do sabor e da vantagem de serem alimentos naturais, há ainda as vantagens nutricionais, porque cada 100 gramas de morangos contêm mais vitamina C do que uma laranja.

O poder antioxidante da vitamina C é bastante conhecido.

Mas ela é apenas um dos componentes importantes dessa fruta.

Os morangos possuem substâncias bioativas como antocianinas e polifenóis.

O alto teor de fibra presente nas frutas faz delas alimento adequado para dietas porque combatem a prisão de ventre.

Cebolas: como viver sem ela?

Cebolas: como viver sem ela?

Imagem: Pixabay

A cebola é um ingrediente que dá sabor a qualquer prato e sem ela a culinária brasileira não poderia existir.

A cebola possui um alto teor de antioxidantes, conhecidos como flavonoides, que são as substâncias protetoras que o organismo não consegue sintetizar. Já foram catalogados 5.000 de flavonoides.

Os antioxidantes agem como pigmentos na natureza, conferindo a cor roxa ou rosa a algumas variedades de cebola.

As cores indicam a presença das antocianinas, um tipo de flavonoide.

Apesar das formas de preparo retirar alguma quantidade desse componente, a perda não é significativa.

São 26 calorias na cebola crua, quando fervida a quantidade cai para 18 e na cebola assada são 38 calorias.

A cebola está presente nos refogados de legumes, chave das receitas da dieta mediterrânea.

Ao lado do alho, tomate, azeite de oliva e verduras, acompanha alimentos como peixes e verduras.

Salsão praticamente não contém calorias

O salsão ou aipo tem tão poucas calorias, que alguns acreditam o esforço para o organismo faz para digeri-lo gasta mais calorias do que as que ele oferece.

Isso porque o salsão possui apenas 11 calorias em 100 gramas.

Ele é excelente quanto adicionado a sopas.

Conheça alimentos nutritivos e com quase zero calorias

Imagem: Pixabay

Endívia, rica em fibras e nutrientes e sem calorias

A endívia é uma variedade de chicória e foi descoberta por agricultores belgas em 1850, depois de notarem que a planta poderia sobreviver mesmo em total escuridão, armazenada com determinadas condições de umidade e temperatura.

As endívias contém apenas 9 calorias por 100 gramas, mas são ricas em manganês, ácido fólico, vitamina K, fibras e nutrientes.

Quando se trata de escolher legumes, frutas e verduras, a nossa preocupação deve ser cumprir a recomendação dos nutricionistas, de consumir ao menos cinco porções diárias desses alimentos.

Para isso, a quantidade de calorias não deve ser impedimento, o melhor é não abrir mão desses nutrientes.

Polvo, poucas calorias, mas rico em zinco

O polvo tem poucas calorias.

Depois de cozido, tem apenas 69 calorias por cada 100 gramas, sem considerar as calorias do azeite para prepará-lo e os condimentos.

Seu baixo teor de gordura acompanha uma alta dose de proteínas e uma grande quantidade de zinco.

O povo fornece, em uma porção, 30% da dose diária recomendada para mulheres com atividade física moderada e 76% do recomendado para os homens.

Laranja ou mexerica

Laranja ou mexerica

Imagem: Pixabay

As duas têm poucas calorias.

A laranja tem 38 calorias, a mexerica 40.

Destaca-se entre todas as suas propriedades a vitamina C.

Em uma laranja média encontramos a dose diária recomendada.

No entanto, ela perde suas fibras quando consumida como suco.

Uma copo de suco de laranja também tem muito mais calorias, porque geralmente contém 3 laranjas, sem contar que muita gente adiciona açúcar.

A vantagem está em comer a laranja.

Espinafre: fonte de vitaminas e pobre em calorias

Depois de fervido e escorrido, o espinafre contém apenas 22 calorias.

Ele é rico em vitaminas B2, A, E, C, K e ácido fólico, além de minerais, como potássio, manganês, magnésio e ferro.

Suas fibras são solúveis e insolúveis, com poder de prevenção de doenças e é uma verdura essencial para uma dieta saudável.

Abobrinha, rica em vitamina C

Esse é um legume da família da abóbora, com menos fibra e mais água.

A abobrinha contém mucilagem, uma fibra solúvel muito valorizada como laxante.

A abobrinha fervida contém apenas 17 calorias por porção de 100 gramas.

Contrafilé: proteína leve

Contrafilé: proteína leve

Imagem: Pixabay

Apesar do destaque para verduras e legumes, se você aprecia carne, há um corte que é magro, o contrafilé, que possui apenas 110 calorias por 100 gramas, com 75% de proteína.

Outro corte com baixo teor de calorias é o rim, que contém grande quantidade de nutrientes, incluindo o selênio.

Em uma porção existe mais de 100% da ingestão recomendada para um homem de 20 a 39 anos.

Mas o consumo da carne não deve ser diário, dando-se preferência a aves e cortes magros de porco, para uma alimentação saudável, segundo as recomendações dos nutricionistas.

Leite desnatado

O leite desnatado tem 34 calorias, enquanto o integral tem 65.

A diferença não é muito grande no que se refere à energia.

A diferença está no teor de gordura, que no leite integral fica em 3,8 gramas por 100 gramas e 0,2 no desnatado.

Os nutricionistas recomendam optar preferencialmente pelos laticínios com baixo teor de gordura.

Bacalhau fresco é um peixe magro

Bacalhau fresco é um peixe magro

Imagem: Pixabay

O bacalhau fresco tem apenas 83 calorias por porção de 100 gramas.

Esse peixe acumula gordura no fígado, origem do óleo de bacalhau rico em ômega 3 e não em músculos.

Por essa razão o bacalhau está entre os peixes mais magros existentes e pode ser apreciado em ótimas receitas.

Melancia – excelente para o calor

A melancia já era consumida há cerca de 3.500 anos na região do Nilo, de acordo como registros nos hieróglifos egípcios.

A eles devemos agradecer por essa fruta, que tem 95% de seu peso em água, sendo excelente para enfrentar o calor.

Cada 100 gramas de melancia só contém 20 calorias.

Mexilhões: ferro e poucas calorias

Os mexilhões ou mariscos contêm apenas 48 calorias, o mesmo que as ostras.

Se forem comidos com molho e pão é preciso acrescentar as calorias desses acompanhamentos, mas é uma iguaria que vale a pena consumir.

Podem ser preparados grelhados, refogados ou assados.

Uma porção de mexilhões ou mariscos contém 85% do ferro que necessitamos diariamente.

Também possuem vitaminas como a niacina, além de serem muito saborosos.

Qual a carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde?

Querendo saber mais sobre a carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde? Então você está no lugar certo! Neste artigo, reunimos tudo o que você precisa saber sobre esse assunto.

A obesidade é um problema de saúde que atinge pessoas de diferentes idades e classes sociais, e que vem aumentando cada vez mais com o passar dos anos.

Para se ter uma ideia, apenas nos últimos 13 anos o índice de obesidade no Brasil aumentou 67,8%.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, esse aumento assustador no índice de pessoas obesas veio estranhamente acompanhado do crescimento de hábitos mais saudáveis.

Isso acaba mostrando que, nem sempre a obesidade é uma questão sob controle da pessoa.

Exatamente por essa razão, a cirurgia bariátrica vem ganhando mais espaço nos últimos anos.

E é cada vez mais comum encontrar pessoas que recebem indicação médica para realizar uma cirurgia de redução de estômago.

No entanto, mesmo quem tem um plano de saúde, pode acabar encontrando empecilhos na hora de realizar essa cirurgia, pois, apesar da maior parte dos planos cobrir esse procedimento, existe um período de carência que deve ser cumprido.

Neste artigo falaremos mais sobre isso, acompanhe.

Qual a carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde?

Imagem: Getty Images

Como fazer cirurgia bariátrica pelo plano de saúde?

Se você tem ou está pensando em contratar um plano de saúde, para realizar esse procedimento saiba que, a única maneira de fazer cirurgia bariátrica pelo plano de saúde é através de uma indicação médica.

Cabe apenas ao médico que acompanha o paciente identificar se há ou não a necessidade da realização da cirurgia bariátrica.

Essa indicação não depende apenas do IMC do paciente, mas também fatores como doenças associadas a ela.

Para que um paciente consiga uma indicação de cirurgia bariátrica é preciso que ele passe por uma análise detalhada, onde médicos especializados irão verificar quais as reais possibilidades do paciente, além dos benefícios e riscos da cirurgia bariátrica para ele.

Para ser um candidato apto a realizar uma bariátrica é preciso que o paciente tenha entre 18 e 65 anos de idade, e o diagnóstico do seu IMC esteja:

  • Entre 35 Kg/m² e 39,9 kg/m², aliado a alguma outra condição causada pela obesidade, como diabetes e hipertensão arterial;
  • Entre 40 Kg/m² e 50 Kg/m², com ou sem qualquer morbidade.

Após a solicitação do médico, é comum que as operadoras analisem o caso e façam a liberação da cirurgia.

E importante dizer que a liberação da cirurgia bariátrica pelo plano de saúde dependerá não apenas da indicação médica como também da cobertura contratada pelo paciente.

Isso porque, somente os planos que contemplam cobertura hospitalar darão direito a esse tipo de cirurgia.

Portanto, esteja atento a essa questão no momento da contratação do plano de saúde.

Além da segmentação Hospitalar, existem outras três principais, são elas: a Ambulatorial, a Referencial e a Odontológica.

Dessas, apenas a de Referência também cobre à bariátrica, já que permite a internação do usuário por mais de doze horas.

Existe carência para cirurgia bariátrica?

Se você contratou um plano de saúde a fim de realizar uma cirurgia bariátrica, saiba que terá que esperar um pouco para que isso aconteça.

Isso porque, ao contratar um serviço de assistência médica, o beneficiário precisa aguardar alguns prazos para utilizar os serviços.

Esses prazos são chamados de carência, e variam de acordo com o tipo de procedimento.

No caso de cirurgias, o prazo a ser esperado é de 180 dias, seis meses, após a assinatura do contrato.

É importante que você saiba também que, se a sua solicitação de bariátrica não for considerada uma questão de saúde e sim estética, saiba que ela não será coberta pelo plano.

Isso porque, um plano de saúde só é obrigado a cobrir procedimentos que estejam ligados ao bem-estar do indivíduo.

Isso não significa que os planos não cobrem nenhum procedimento estético.

Existem exceções como, por exemplo, os casos de reconstrução dos seios após um tratamento e retirada da mama por causa de um câncer.

Neste caso, o procedimento cirúrgico é considerado como parte do tratamento contra o câncer e, apesar de ser uma cirurgia estética, deve ser realizada com o pagamento pelo plano de saúde.

Outro exemplo é a continuação do próprio tratamento bariátrico.

Após a diminuição de estômago, o plano também precisa cobrir a cirurgia de retirada do excesso de pele.

Mais uma vez, o procedimento é estético, mas faz parte de um tratamento de saúde.

Por isso é tão importante contar com avaliação médica detalhada e indicação clara de saúde para a realização da cirurgia.

Carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde pode variar

Também é preciso destacar que a carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde pode variar, se esta for uma condição preexistente, por exemplo.

Ou seja, uma doença que o paciente já possuía o diagnóstico no momento de contratação do plano.

Neste caso, o prazo de carência da cirurgia bariátrica muda de 6 meses para 24 meses.

Isso significa que existem dois cenários básicos possíveis:

  • Em que o consumidor contrata o plano de saúde e inicia a contagem do seu período de carência de 180 dias. Durante essa espera de 6 meses, porém, o indivíduo ganha peso e é diagnosticado com obesidade. A solução é a cirurgia bariátrica. Nessa situação, o paciente poderá finalizar o período de 180 e realizar a operação. Afinal, a obesidade não era uma doença preexistente;
  • Quando o paciente já possuía obesidade ao contratar o plano. Aqui, ele deverá aguardar os 24 meses de espera, já que a condição era preexistente.

Esses prazos de carência são necessários para que os planos de saúde possam se adequar aos novos clientes e assim atender toda a demanda com qualidade.

Tais prazos não são escolhidos ao acaso, eles são definidos pela ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, e válidos para todas as operadoras de saúde que atuam em território nacional.

Veja, na imagem a seguir, como funcionam os prazos de carência para todos os planos de saúde.

Qual a carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde?

Fonte: www.planosdesauderjmid.com.br

Quando a carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde está isenta?

Os planos de saúde possuem carência de 24 horas para atendimentos de urgência e emergência, sendo que a obesidade pode ser considerada um fator de risco, capaz de colocar o paciente em uma situação grave.

Nesse caso, o médico pode solicitar a cirurgia bariátrica imediata, e o plano de saúde não poderá negar a liberação do procedimento.

Isso ocorre porque, em uma emergência, a bariátrica não se trata de uma cirurgia eletiva.

Uma operação eletiva é a que pode ser adiada sem causar complicações ou colocar a vida do paciente em risco.

Logo, em situação imediata, a cirurgia deve ser realizada pelo plano de saúde, mesmo que a carência de 180 dias, ou de 24 meses, não tenha sido cumprida.

Se o plano de saúde se negar a realizar o procedimento, mesmo com uma solicitação médica, o paciente poderá procurar seus direitos.

O primeiro passo indicado é buscar a ANS e realizar uma reclamação.

Como esse órgão é responsável por regulamentar todas as operadoras de planos de saúde no Brasil, a agência poderá intervir em nome do consumidor.

Também pode ser eficaz solicitar o auxílio do Procon – Programa de Proteção e Defesa do Consumidor de sua cidade.

Por fim, há a possibilidade de entrar com ação judicial contra a empresa.

Por ser uma situação de saúde, a decisão de um Juiz costuma ocorrer mais rápido do que os demais casos.

Assim, a empresa poderá ser obrigada a autorizar a cirurgia, estando o consumidor ou não no período de carência da cirurgia bariátrica no plano de saúde.

Quais são os tipos de cirurgia bariátrica cobertas pelo plano de saúde?

Se você já cumpriu o período de carência e está apto a realizar uma cirurgia bariátrica pelo plano de saúde, é possível que esteja curioso para saber quais são os tipos cobertos pelos planos de saúde.

As regras relacionadas a realização da cirurgia bariátrica através do plano de saúde estão descritas na Resolução Normativa nº 428 criada em novembro de 2017, que vigora desde o dia dois de janeiro de 2018.

Nela constam todos os procedimentos, técnicas, critérios e indicações relacionadas a realização da cirurgia bariátrica através do plano de saúde.

Por isso, vale a pena conhecer essa RN um pouco melhor.

Mas é possível afirmar que, entre as possibilidades cirúrgicas que a intervenção bariátrica oferece estão os seguintes tipos de cirurgias:

  • Bypass gástrico;
  • Cirurgia de fobi;
  • Cirurgia mista;
  • Desvio gástrico com y de roux;
  • Gastroplastia com derivação intestinal.

Além destas técnicas de gastroplastia mencionadas acima, existe ainda a possibilidade de realizar as intervenções conhecidas como ‘colocação de uma banda gástrica’ através dos planos de saúde, neste caso as técnicas disponíveis são:

  • Cirurgia de mason;
  • Cirurgia restritiva;
  • Gastroplastia vertical bandada;
  • Gastroplastia vertical com banda;
  • Gastroplastia vertical sem derivação.

Como funciona a cirurgia para a retirada do excesso de pele?

É importante que você saiba que, após realizar uma cirurgia bariátrica, independentemente da técnica utilizada, e experimentar um grande emagrecimento, você tem direito sim a realizar uma cirurgia plástica corretiva para a retirada do excesso de pele.

No entanto, para que isso acontece é fundamental que você tenha realizado a cirurgia e todo o tratamento através do plano de saúde, é importante também que essa cirurgia de retirada de pele seja indicada pelo mesmo médico que indicou sua cirurgia e acompanhou seu emagrecimento.

Essa cirurgia está prevista no Rol de procedimentos cobertos pela ANS, porque nesses casos onde existe uma grande e rápida perda de peso, capaz de promover o excesso de pele, e é considerada uma questão de saúde e bem-estar.

Isso acontece porque esse excesso de pele pode comprometer o dia a dia do paciente além de promover feridas e doenças de pele.

Portanto, sim, você pode realizar a cirurgia de retirada de pele nesses casos.

Mas como mencionado, para que ela aconteça é necessário que ela faça parte do tratamento indicado pelo seu médico.

Agora que você sabe um pouco melhor como funciona a cirurgia bariátrica no plano de saúde, quais são as carências e, quais são seus direitos, será muito mais simples conseguir conquistar mais saúde e qualidade de vida.

Se você ainda não tem um plano de saúde, procure um de nossos corretores e peça mais informações.

Plano de saúde Unimed para grávidas

O plano de saúde Unimed para grávidas oferece coberturas que são essenciais para um pré-natal seguro e um parto tranquilo. Acompanhe este artigo e veja o que a operadora oferece e como funciona esse plano.

A descoberta da gravidez é um momento de alegria e muita responsabilidade, que exige uma série de cuidados importantes, até mesmo antes que a notícia se torne realidade, como uma análise financeira das possibilidades e a escolha de um plano de saúde.

Entre as opções de planos disponíveis no mercado, talvez uma das mais procuradas seja o plano de saúde Unimed para grávidas.

Por isso, falaremos mais desse serviço neste artigo, explicando quais são os seus diferenciais e como ele funciona.

Plano de saúde Unimed para grávidas

Imagem: Getty Images

Como funciona o plano de saúde Unimed para grávidas

Para que a grávida tenha o atendimento desejado neste período importante de sua vida, é interessante que ela opte por um plano de saúde para gestante e, esta é uma das muitas modalidades de planos oferecidos pela Unimed.

O plano de saúde Unimed para grávidas pode ser contratado tanto por pessoas físicas como jurídicas.

Para ter acesso a ele é simples, basta contratar uma das coberturas mais adequadas para você acompanhada da cobertura obstetrícia.

A partir da contratação do plano, será preciso esperar o cumprimento dos períodos de carência, como de 30 dias para realizar consultas e exames, bem como de 300 dias para a utilização da Unimed para o parto.

Por estes prazos, especialmente para o parto, é essencial que você resolva fazer um dos tipos de planos da Unimed com atendimento específico para as grávidas, antes de realmente ser uma gestante porque senão o tempo da carência não vai ser suficiente.

Por isso, na hora de fazer a adesão a um plano de saúde, o ideal é sempre optar por um que ofereça a maior quantidade de serviços possíveis, sempre pensando no futuro.

Ah, lembre-se de visitar o site da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, órgão responsável por fiscalizar o setor de planos de saúde, para conhecer melhor todos os seus direitos relacionados ao parto na saúde suplementar.

Vantagens do plano de saúde Unimed para grávidas

A Unimed oferece para quem tem um plano com cobertura obstetrícia, acesso a uma rede credenciada ampla, com os melhores médicos desta especialidade.

Além disso, a empresa foca em oferecer centros de diagnóstico mais avançados.

Prezando sempre em promover em todo o país, uma rede contemplada com hospitais e maternidade, fazendo com que a paciente não precise se locomover muito para poder ter o bebê.

Tem ainda como vantagem o Programa Gestante, com o oferecimento de cursos e orientações em toda a gestação para tirar dúvidas e ensinar como cuidar de seu bebê.

Esses cursos abordam temas distintos, desde a importância do pré-natal até como dar banho no recém-nascido.

Outra vantagem oferecida pela operadora é a comodidade de ter maior amplitude em seus atendimentos, indo desde a assistência básica do pré-natal, exames, obtenção de remédios necessários com descontos até a assistência hospitalar de qualidade antes, durante e depois do seu parto.

Existe ainda a garantia de que seu filho recém-nascido será inserido em seu plano de saúde, sem a exigência de percorrer períodos de carência, desde que a sua inscrição aconteça dentro dos primeiro 30 dias de vida do bebê.

Além disso, pelo fato de a operadora contar com uma vasta rede de atendimento, a mulher tem a liberdade de escolher o profissional com quem ela melhor se identifica, não ficando restrita a uma única indicação do plano.

Como contratar o plano de saúde Unimed para grávidas

A contratação de um plano de saúde Unimed para grávidas pode ser feita em diversos lugares, dependendo da região onde mora.

Por isso, o caminho mais indicado é começar procurando a central de atendimento da operadora e solicitar informações.

Feito isso, veja se contratará o plano como pessoa física ou pessoa jurídica, bem como confira de forma específica às suas reais coberturas, rede credenciada e o valor a ser pago com relação às mensalidades.

Você pode saber mais sobre o plano de saúde Unimed para recém-nascidos antes de contratar o seu!

Quem deseja utilizar um plano de saúde Unimed para grávidas precisa, inicialmente, escolher o seu tipo de produto com antecedência em relação à gestação para que você tenha um pré-natal de qualidade e a melhor assistência que esta operadora pode proporcionar para você e seu bebê.

Plano de saúde Unimed tem carência para parto?

O plano de saúde Unimed com cobertura obstétrica dispõe de muitas vantagens.

Porém, é preciso saber que o plano de saúde Unimed tem carência para parto.

Conheça quais são as coberturas e carências:

– Coberturas inclusas no plano obstétrico (é importante conferir na sua região, as coberturas oferecidas):

  • Cesariana;
  • Cerclagem do colo uterino;
  • Inversão uterina aguda pós parto (redução manual e/ou cura cirúrgica);
  • Cesariana com histerectomia;
  • Deslocamento manual de placenta;
  • Curetagem pós-parto;
  • Histerectomia puerperal;
  • Prenhez ectópica;
  • Parto com eclampsia;
  • Parto com ou sem episiotomia;
  • Parto com versão;
  • Parto a fórceps;
  • Parto gemelar;
  • Doppler fetal;
  • Parto pélvico com manobras;
  • Parto com vácuo extrator;
  • Sutura de lacerações de trajeto pélvico;
  • Despesas decorrentes de curetagem e laqueadura de trompas (ver determinações);
  • Ultrassonografia obstétrica;
  • Anestesia de parto;
  • Abortamentos (previstos no Art. 123 do Código Penal ou de forma espontânea desde que sempre justificados pelo Médico Assistente);
  • Cobertura assistencial ao recém-nascido (filho natural ou adotivo), dentro dos 30 primeiros dias de vida.

– Carências (Fique atento ao plano contratado, lendo atentamente as cláusulas contratuais)

  • Parto normal ou cesárea e intervenções cirúrgicas: 300 dias;
  • Consultas e exames ligados ao processo gestacional: 30 dias.

Aproveite e contrate já um plano de saúde Unimed familiar e usufrua os benefícios!

Quanto custa um plano de saúde para gestante na Unimed?

Não há como definir um valor fixo para o plano de saúde Unimed para grávidas, isso porque existem uma série de fatores que interferem no valor final do plano.

Desde as coberturas escolhidas para acompanhar a obstétrica, até o tipo de acomodação e faixa etária da gestante.

Portanto, o melhor caminho para saber quanto custa um plano de saúde para gestante no seu caso, é solicitando uma cotação.

Esta pode ser feita com o auxílio de um corretor especializado, ou diretamente no site da Unimed.

Nossa equipe realizou uma pesquisa, com preço de tabela dos planos individuais da Unimed.

Nesse, consta cobertura obstétrica, com período de carência de 300 dias.

Confira a tabela de valores praticados pela Unimed da Região noroeste do país, em dois tipos de planos com cobertura obstétrica, um mais simples e um mais completo:

Faixa etária Unimed flex Unimed referência
de 00 a 18 anos R$ 226,34 R$ 326,17
De 19 a 23 anos R$ 237,65 R$ 342,47
De 24 a 28 anos R$ 260,29 R$ 375,09
De 29 a 33 anos R$ 294,25 R$ 424,01
De 34 a 38 anos R$ 339,51 R$ 489,24
De 39 a 43 anos R$ 430,05 R$ 619,70
De 44 a 48 anos R$ 565,85 R$ 815,41
de 49 a 53 anos R$ 746,92 R$ 1.076,34
de 54 a 58 anos R$ 984,58 R$ 1.418,81
acima de 59 anos R$ 1.355,78 R$ 1.953,73

Tabela 1: Pesquisa realizada em outubro de 2019. Fonte: Unimed Noroeste / RS

Existe um plano de saúde para quem já está grávida?

A mulher pode contratar o plano de saúde Unimed já estando grávida, mas, isso não quer dizer que ela terá um atendimento completo na gestação.

Como mencionado, o prazo de carência para parto é de 300 dias, portanto esse procedimento não será coberto pelo plano.

Os demais procedimentos como consultas e exames poderão ser utilizados, só que eles também possuem um prazo de carência e por conta disso pode haver impedimento.

Existe sim a possibilidade da contratação de um plano de saúde para quem já está grávida, mas ao fazê-lo é preciso estar ciente de que, dependendo do período da gestação, a maior parte dos procedimentos necessários não estarão disponíveis.

Nesse caso o que o plano cobrir pode ser utilizado, entretanto, o que não estiver disponível terá de ser usado de forma particular ou pelo serviço público de saúde.

A exceção é se a operadora tiver alguma promoção relacionada a plano de saúde com carência zero para parto, ou incluir essa informação no contrato, permitindo a utilização de todos os serviços.

Entretanto, isso pode ter um custo adicional que somente cada empresa pode determinar.

Plano de saúde Unimed para grávidas – Reclame Aqui

Uma das maneiras de saber se vale a pena contar com um determinado serviço é pesquisando sobre ele na internet.

Entre as plataformas que disponibilizam informações confiáveis, está o site do Reclame Aqui.

Nele, é possível encontrar informações sobre diversas unidades da Unimed, por isso, o mais indicado é que você mesmo realize a pesquisa sobre a Unimed da sua região.

No entanto, para que você tenha uma ideia geral do relacionamento dessa empresa com seus clientes, nós separamos as informações sobre a Central Nacional Unimed.

A seguir você encontra dados referentes às reclamações feitas sobre a Central Nacional Unimed no site Reclame Aqui, no último ano, período que vai de 01/10/2018 até 30/09/2019. Acompanhe:

Reputação de Central Nacional Unimed

Nos últimos 12 meses a central nacional da Unimed recebeu 1.006 reclamações e respondeu a 986 delas, em um tempo médio de 4 dias e 10 horas, obtendo assim uma margem de reclamações respondidas no site de 98%.

De todos os reclamantes, 57,8% disseram que voltariam a fazer negócios com a empresa, e atribuíram a ela uma nota de consumidor de 4,89.

No entanto, a Central Nacional Unimed está classificada no site como uma empresa ‘regular’ com uma nota 6.5.

Isso se deve ao índice de respostas às reclamações, o tempo médio dessas respostas e principalmente ao índice de solução de problemas da empresa, que é de 66%.

É preciso dizer que existem sim, muitos bons profissionais na rede pública, que atendem grávidas sem qualquer custo, no entanto, conseguir encontrá-los, ou mesmo ser atendido por eles, nem sempre é uma tarefa fácil.

Por isso, contar com um plano de saúde para grávidas é tão importante.

Tendo um suporte mais amplo e um acesso mais fácil a saúde, as chances de ocorrerem problemas mais graves durante a gestação e o parto são muito menores.

Se você quiser saber mais informações sobre todas as possibilidades existentes em planos de saúde para gestantes, procure um de nossos corretores, um profissional de sua confiança, ou entre em contato diretamente com as operadoras de saúde e peça mais informações.

*Este texto é de conteúdo editorial e não garante a comercialização deste produto nesse site.

*Planodesaude.net não se responsabiliza pelos valores aqui mencionados, visto que o preço do plano de saúde pode variar conforme o perfil de cada beneficiário.