dcsimg

ENCONTRE SEU
PLANO DE SAÚDE
EM 30 SEGUNDOS!

ENCONTRE SEU PLANO DE SAÚDE EM 30 SEGUNDOS!

Qual o seu DDD?


ou ver Listas Patrocinadas

Fique atento contra jogos perigosos na internet

O jogo “Baleia Azul” provocou o suicídio como desafio final. Pais e educadores devem ficar atentos e impedir que crianças e adolescentes sejam vítimas de outras tragédias na internet.

Fique atento contra jogos perigosos na internet

Imagem: Optclean

Na Rússia, o Baleia Azul (Blue Wale), com o seu desafio, que no final impõe o suicídio, foi inventado por um jovem de apenas 21 anos de idade, chamado Filip Budeykin, que foi descoberto pela polícia e preso.

O jogo, inventado por ele, levou à morte pelo menos quinze crianças e adolescentes, em seu próprio país e cerca de 100 vítimas em todo o mundo. Os desafios, em número de 50, mostravam uma mente diabólica, que era responsável pela divulgação e propagação do crime pelo resto do mundo.

De acordo com o jornal russo “Pravda”, o rapaz sofre de doença psicológica, além de ser bipolar, com crises de humor. Como um “serial killer”, agiu com prazer em matar, sem se preocupar com as consequências. Ele agora está internado em um hospital psiquiátrico na Rússia e aguarda julgamento. Segundo as investigações, sua atuação na internet começou em 2013, pelo Facebook e continuou até recentemente.

Clique aqui e faça a cotação do seu plano de saúde.

Entenda os perigos do jogo

Entenda os perigos do jogo

Imagem: Notisul

Os desafios propostos para os adolescentes eram macabros. O jogo Baleia Azul foi disputado através das redes sociais e, entre outras coisas, impunha a automutilação, provocar o próprio adoecimento, envenenamento, provocar o próprio atropelamento e no final, cometer suicídio. Na Rússia uma jovem de 14 anos se atirou na frente de um trem e uma adolescente de 15 anos pulou do alto de um edifício.

Algumas notícias, sem confirmação, chegaram a mencionar 130 suicídios, de membros de comunidades chamadas de “grupos da morte”. No Brasil, na cidade de Tubarão (SC), uma jovem de 20 anos foi impedida pelo namorado e pela polícia de se suicidar e declarou que estava participando do Baleia Azul.

O Baleia Azul era um jogo mortal, onde os participantes seguiam instruções até ficarem motivados para tirar a própria vida, com tarefas que estimulavam um quadro depressivo. No jogo, havia uma pessoa, chamado de “curador”, que enviava desafios aos jogadores todas as madrugadas, a hora em que os pais se descuidam do que os filhos estão fazendo diante do computador, tablet ou celular. Os desafios duravam o período de 50 dias, até chegar à própria morte. O mais intrigante é que os curadores ameaçavam os participantes de atacarem suas famílias, caso eles abandonassem o jogo. Imagina-se que, com a prisão do seu criador e coordenador mundial, a brincadeira tenha acabado.

No litoral paulista, Gustavo, um adolescente de 13 anos, foi encontrado asfixiado com uma corda no pescoço, em frente ao computador. Os colegas que o assistiam por meio de câmera, avisaram a família e ele foi socorrido, mas não resistiu ao trauma e morreu. Ele participava do desafio da asfixia.

Que tal cuidar da sua saúde agora? Aproveite e faça a cotação do seu plano de saúde.

O jogo da asfixia ou “jogo do desmaio” (“choking game”) pode levar à morte, porque o sangue diminui no cérebro e o participante cai, podendo sofrer até mesmo traumatismo craniano. Se existir uma predisposição fisiológica, poderá haver parada cardiorrespiratória, com possíveis lesões irreversíveis no cérebro.

Entenda os perigos do jogo

Imagem: Brasil Elpais

Condições psicológicas predispõem o jovem

Educadores e pais tentam entender os motivos que levam um jovem a participar desse tipo de jogo. Na prática, as 50 etapas e o ato final de suicídio representam um pacto, uma demonstração de coragem. Os psicólogos especialistas acreditam que o jogo envolve as crianças e adolescentes que tem uma pré-disposição intensa, com problemas emocionais e distúrbios mentais. 

Para muitos pesquisadores, o jogo da Baleia Azul nem deveria ser considerado um jogo, mas uma atividade de banalização da violência.

Condições psicológicas predispõem o jovem

Imagem: O Correio News

O que os “pseudo-jogos” como Baleia Azul e outros pretendem é estimular o que já existe de problemático no jovem. Nas comunidades das redes sociais, as atividades estimulam os comportamentos suicidas em uma escala de tarefas que aceleram as dificuldades.

Para o psicólogo Igor Lins Lemos, pesquisador mestre e doutor em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), atividades na internet desse tipo devem ser censuradas. Segundo ele, quando há um transtorno mental pré-existente, os jogos são fortes provocadores de problemas ainda maiores. As atividades usam uma estratégia sádica, que se afasta do conteúdo lúdico ou de entretenimento que um jogo oferece. As conquistas são substituídas por desafios autodestruidores, que se apresentam em uma escala de níveis de dificuldade, o que leva os participantes mais vulneráveis a desenvolverem transtornos psiquiátricos.

O estímulo às autolesões na verdade estimulam o que é problemático na personalidade do jovem e, segundo o especialista, realmente influenciam para que ocorram o suicídio, como uma etapa final, mais difícil, que o jovem precisa vencer para se sentir aprovado no grupo.

Condições psicológicas predispõem o jovem

Imagem: O Globo

Como a família deve agir para prevenir

É entre os jovens que tem dificuldade nas relações pessoais e não contam com uma forte rede de apoio que a internet pode se transformar em um local de tragédia, afirma Igor Lins Lemos.

A família precisa praticar o diálogo e conversar sempre. Os pais devem procurar saber o que os filhos fazem na internet e monitorar o seu histórico na web e redes sociais. Esse deve ser um tema de constante conversa com os filhos. O diálogo aberto atraí a confiança de crianças e adolescente, para que se sintam à vontade em procurar a ajuda da família quando surgem as dúvidas e problemas. A recomendação, inclusive da polícia, é para que comportamentos como isolamento e sintomas depressivos devem receber muita atenção dos pais e responsáveis, para que quadros mais graves possam ser evitados.

O comportamento de um jovem deve ser observado constantemente. Os primeiros sintomas de problemas emocionais são demonstrados quando um adolescente começa a se afastar das atividades sociais e a dedicar tempo demais a contatos virtuais através da internet.

As recomendações para as famílias incluem o uso monitorado da internet, verificando que tipo de participação nas redes sociais o jovem desenvolve e prestar atenção em comportamentos estranhos. A atitude mais importante é a do diálogo com os adolescentes, a respeito do significado e consequências de práticas de jogos atraentes, que na aparência são brincadeiras, mas na verdade representam um perigo.

Quando um jovem apresenta sinais de depressão, os cuidados devem ser redobrados, porque a tendência é que se sintam atraídos por práticas autodestrutivas. As escolas devem discutir o assunto com os alunos, conscientizando para o uso consciente da tecnologia, dentro do respeito à vida.

O que você achou deste artigo? Sua avaliação é muito importante para nós!
Por favor, atribua uma nota:

avaliação
Rating

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.